Mercado abrirá em 2 h 57 min
  • BOVESPA

    113.794,28
    -1.268,26 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,04
    -0,57 (-0,79%)
     
  • OURO

    1.766,10
    +9,40 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    47.699,61
    -254,80 (-0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.216,31
    -16,98 (-1,38%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.037,34
    +9,86 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.489,50
    -28,25 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2050
    +0,0202 (+0,33%)
     

Velocista de Belarus chega à Polônia após se recusar a voltar para casa

·3 minuto de leitura
Krystsina Tsimanouskaya no aeroporto de Narita

Por Gabrielle Tétrault-Farber e Antoni Slodkowski

TÓQUIO (Reuters) - A velocista bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya refugiou-se na Polônia nesta quarta-feira depois de se recusar a retornar ao seu país vinda das Olimpíadas de Tóquio, em uma saga que lembra as deserções esportivas da Guerra Fria.

O caso envolvendo a atleta de 24 anos pode isolar ainda mais Belarus, que está sob sanções financeiras e econômicas do Ocidente após o recrudescimento da repressão do presidente Alexander Lukashenko contra a oposição desde o ano passado.

Depois de passar duas noites na embaixada da Polônia, a velocista de 24 anos entrou no avião no aeroporto de Narita usando óculos de sol decorados com as palavras "EU CORRO LIMPA" rumo a Viena.

Inicialmente, ela pegaria um voo para Varsóvia. Um porta-voz do governo polonês disse que na última hora ela optou por um voo com destino à capital da Áustria por temer por sua privacidade e segurança depois que a notícia sobre seu plano veio a público e repórteres reservaram assentos no voo.

As preocupações são particularmente grandes devido a um incidente ocorrido em maio, quando um avião da Ryanair foi forçado a pousar em Belarus e um jornalista dissidente foi preso, disse a fonte polonesa.

De Viena, ela foi para Varsóvia. A Polônia, que há muito tempo critica Lukashenko e abriga muitos ativistas de Belarus, concedeu a ela e a seu marido vistos humanitários.

A corredora causou um incidente diplomático no domingo, quando disse que seus treinadores abreviaram sua participação nos Jogos de Tóquio, exigindo que ela fizesse as malas na Vila Olímpica e levando-a ao aeroporto contra sua vontade por ela tê-los criticado publicamente.

Ela se recusou a embarcar no voo e pediu proteção da polícia japonesa.

"Não voltarei a Belarus", disse ela à Reuters na ocasião.

O Comitê Olímpico Nacional de Belarus informou que os treinadores decidiram retirar a atleta dos Jogos seguindo conselho de médicos a respeito de seu estado emocional e psicológico.

Um porta-voz do Ministério do Interior de Belarus não foi encontrado para comentar sobre a segurança do voo de Tsimanouskaya. Autoridades do governo bielorrusso pouco disseram publicamente sobre o caso dela.

COI INVESTIGA

O Comitê Olímpico Internacional (COI) iniciou uma investigação sobre a alegação de Tsimanouskaya de que foi retirada da Vila Olímpica, e disse nesta quarta-feira que recebeu um relatório da equipe bielorrussa.

"O COI está montando uma comissão disciplinar para estabelecer os fatos deste caso e para ouvir as duas autoridades –Artur Shumak e Yuri Moisevich– que supostamente se envolveram neste incidente", disse o porta-voz do COI, Mark Adams.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, acusou o regime do presidente bielorusso, Alexander Lukashenko, de intolerável "repressão transnacional" no assunto.

O incidente chamou a atenção para Belarus, onde a polícia reprimiu dissidentes após uma onda de protestos desencadeada por uma eleição no ano passado que, segundo a oposição, foi fraudada para manter Lukashenko no poder.

Autoridades bielorrussas caracterizaram os manifestantes antigovernamentais como criminosos ou revolucionários violentos apoiados pelo Ocidente e descreveram as ações de suas próprias agências de segurança como apropriadas e necessárias.

(Por Gabrielle Tétrault-Farber e Antoni Slodkowski em Tóquio, Alan Charlish em Varsóvia; reportagem adicional de Karolos Grohmann, Parniyan Zemaryalai, Akira Tomoshige, Angie Teo e Pak Yiu)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos