Mercado abrirá em 8 h 14 min
  • BOVESPA

    116.134,46
    +6.097,67 (+5,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.429,75
    +802,95 (+1,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,81
    +0,18 (+0,22%)
     
  • OURO

    1.708,60
    +6,60 (+0,39%)
     
  • BTC-USD

    19.607,98
    +486,54 (+2,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    446,28
    +10,93 (+2,51%)
     
  • S&P500

    3.678,43
    +92,81 (+2,59%)
     
  • DOW JONES

    29.490,89
    +765,38 (+2,66%)
     
  • FTSE

    6.908,76
    +14,95 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.970,20
    +754,41 (+2,88%)
     
  • NASDAQ

    11.412,25
    +126,50 (+1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0777
    +0,0038 (+0,07%)
     

Veja a primeira foto de um exoplaneta tirada pelo telescópio James Webb

O telescópio espacial James Webb acaba de realizar suas primeiras observações diretas de um exoplaneta (mundo que orbita uma estrela que não é o Sol). O planeta em questão é o HIP 65426 b, um gigante gasoso envolvido por nuvens de poeira, que foi observado através de diferentes filtros de luz e mostra como o Webb poderá revelar informações sem precedentes sobre exoplanetas.

O HIP 65426 b fica a 385 anos-luz da Terra e tem cerca de 12 vezes a massa de Júpiter. Ele fica quase 100 vezes mais longe de sua estrela do que a Terra do Sol, facilitando as observações dele. Entretanto, o planeta é mais de 10 mil vezes menos brilhante do que sua estrela. Portanto, observá-lo é como tentar enxergar uma mosca perto de um grande farol a mais de 80 km de distância.

Abaixo, você confere o exoplaneta observado através de quatro diferentes filtros de luz:

Exoplaneta HIP 65426 b em diferentes bandas da luz infravermelha, enquanto a pequena estrela indica a posição da estrela HIP 65426 (Imagem: Reprodução/NASA/ESA/CSA, A Carter (UCSC), the ERS 1386 team, and A. Pagan (STScI)(Imagem:
Exoplaneta HIP 65426 b em diferentes bandas da luz infravermelha, enquanto a pequena estrela indica a posição da estrela HIP 65426 (Imagem: Reprodução/NASA/ESA/CSA, A Carter (UCSC), the ERS 1386 team, and A. Pagan (STScI)(Imagem:

Perceba que cada filtro fez com que o planeta aparecesse como um ponto luminoso levemente diferente — essas variações se devem ao sistema óptico do telescópio e às formas como ele traduz a luz. Já os os instrumentos Near-Infrared Camera (NIRCam) e Mid-Infrared Instrument (MIRI), que equipam o Webb, contam com coronógrafos, conjuntos de pequenas máscaras que bloqueiam a luz da estrela. Ela não aparece nas fotos, porque foi removida com os coronógrafos e o processamento das imagens.

Até então, os astrônomos já haviam conseguido observá-lo diretamente com telescópios em solo. Agora, as novas observações do Webb registraram o planeta em comprimentos de onda mais longos, que abrangem a maior parte da luz produzida na atmosfera dele e que revelam detalhes invisíveis para telescópios em solo. Como tem entre 10 e 20 milhões de anos e é bem mais jovem que a Terra, as novas observações do planeta podem revelar como Júpiter e Saturno eram durante a “infância”.

Sasha Hinkley, astrônoma da Universidade de Exeter que co-liderou as observações, descreveu os dados como um momento histórico para a astronomia. “O James Webb vai abrir a porta para toda uma nova classe de planetas que esteve completamente fora do nosso alcance, e ao observá-los em uma maior amplitude de comprimentos de onda, podemos estudar a composição deles de forma muito mais profunda”, disse.

Vale lembrar que o telescópio Hubble já havia capturado imagens diretas de exoplanetas no espaço. Mesmo assim, as observações do HIP 65426 já dão um “gostinho” do que esperar da exploração dos exoplanetas com o Webb.

“Acho que o mais empolgante é que acabamos de começar: ainda há muitas imagens de exoplanetas por vir, que vão definir nossa compreensão da física, química e formação deles”, disse Aarynn Carter, pesquisador da Universidade da Califórnia que liderou a análise das imagens.

As observações foram descritas em um artigo publicado no repositório online arXiv, ainda sem revisão de pares.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: