Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    +0,25 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -3,70 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.194,07
    -102,11 (-0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    +22,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    +0,0060 (+0,11%)
     

Veja o incrível efeito do protetor solar usado apenas no rosto durante anos

Entre os dermatologistas e especialistas em saúde, uma das bandeiras mais defendidas é a da importância do uso diário de protetor solar, especialmente para quem fica exposto ao Sol e à radiação ultravioleta (UV). Inclusive, o risco de câncer de pele aumenta, dependendo do nível de exposição. Neste contexto, viralizou nas redes sociais a imagem de uma mulher, com mais de 90 anos, que passava o filtro solar no rosto, mas deixava o pescoço desprotegido.

Publicada na revista Journal of The European Academy of Dermatology and Venereology (Jeadv), a imagem é parte de um artigo sobre o fotoenvelhecimento e o risco de câncer, escrito pelo cientista Christian Posch, da Universidade Técnica de Munique (Tum), na Alemanha. Apesar da imagem ter sido "descoberta" pela internet nesta semana, o texto original é de outubro de 2021.

Efeito do uso de protetor solar por mais de 40 anos viraliza nas redes socias (Imagem: Batch/Wisconsin Hemp Scientific/Unsplash )
Efeito do uso de protetor solar por mais de 40 anos viraliza nas redes socias (Imagem: Batch/Wisconsin Hemp Scientific/Unsplash )

Pescoço de mulher que não usava protetor solar impressiona

No artigo, a imagem que viralizou nas redes sociais é descrita como a bochecha e o pescoço de "uma mulher de 92 anos, que usou hidratantes com proteção UV no rosto, mas não no pescoço por mais de 40 anos". Segundo o pesquisador Posch, "o exame clínico revela uma diferença marcante no dano solar entre a bochecha e o pescoço".

A seguir, confira o registro que levantou o debate sobre a importância do protetor solar:

Pescoço de mulher que usava protetor apenas no rosto impressiona (Imagem: Posch, 2021/Jeadv)
Pescoço de mulher que usava protetor apenas no rosto impressiona (Imagem: Posch, 2021/Jeadv)

Velhice x Fotoenvelhecimento

Aqui, é importante explicar que, de forma natural, a pele envelhece e isso ocorre por diferentes motivos. Este processo é conhecido pelo nome de envelhecimento cronológico. Por outro lado, especialistas destacam que o envelhecimento da pele, independente da idade, conectado com a exposição direta ao Sol é chamado de fotoenvelhecimento.

Diferente dos outros órgãos, a pele está mais exposta ao meio ambiente e, consequentemente, à radiação solar. Por isso, os efeitos da exposição desprotegida — sem protetor solar — são tão visíveis. Além disso, dependendo do grau de exposição, há maior ou menor risco do surgimento de cânceres de pele, como o melanoma.

"O envelhecimento é um indutor discreto e potente de câncer de pele que precisa ser abordado sistematicamente para melhorar a prevenção do câncer de pele no futuro", explica Posch. Quando a pele está desprotegida, o risco tende a ser ainda maior.

Combate contra o câncer de pele no futuro

Segudo Posch, as novas tecnologias ajudam entender e podem interferir na biologia do envelhecimento, "provando que podemos de fato ajustar ou até reverter alguns processos de envelhecimento em várias espécies animais". Este seria o caso do uso contínuo de protetor solar em humanos.

"Embora seja improvável que possamos (ou mesmo devêssemos) tentar derrotar o envelhecimento humano por várias razões, os modificadores do envelhecimento ainda serão capazes de mudar tanto o tempo de saúde (o tempo em que vivemos sem doenças) quanto o tempo de vida", completa o pesquisador, destacando a importância de novos estudos na área.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: