Mercado fechará em 6 h 20 min
  • BOVESPA

    109.492,78
    +378,62 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,86
    +1,15 (+1,50%)
     
  • OURO

    1.642,60
    +9,20 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    20.228,54
    +1.047,76 (+5,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,72
    +3,58 (+0,78%)
     
  • S&P500

    3.713,02
    +57,98 (+1,59%)
     
  • DOW JONES

    29.621,09
    +360,28 (+1,23%)
     
  • FTSE

    7.028,06
    +7,11 (+0,10%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.477,75
    +161,50 (+1,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1371
    -0,0423 (-0,82%)
     

Veja novas fotos do Sol feitas pelo maior telescópio solar do mundo

A equipe do Telescópio Solar Daniel K. Inouye divulgou imagens do Sol, com riqueza de detalhes, destacando a cromosfera — uma camada intermediária da “atmosfera” solar. A foto celebra a inauguração do maior observatório solar do mundo, que se aproxima do término do primeiro ano de sua fase de comissionamento.

Tiradas em 3 de junho e revelada no dia 5 de setembro, as imagens mostram uma região de 82.500 quilômetros de diâmetro. A primeira delas revela os jatos de plasma fluindo de um padrão de “poros” (chamados grânulos) rumo à coroa solar.

A cromosfera é uma região intermediária da atmosfera do Sol (Imagem: Reprodução/NSO/AURA/NSF)
A cromosfera é uma região intermediária da atmosfera do Sol (Imagem: Reprodução/NSO/AURA/NSF)

A cromosfera do Sol só pode ser vista durante um eclipse solar total. Nessas ocasiões, a sombra da Lua sobre o disco solar cria uma borda vermelha ao redor da estrela. Agora, a tecnologia do observatório Inouye e outros de seu tipo mudou a compreensão dos cientistas sobre essa região.

Os grânulos estão em destaque na segunda imagem; cada um deles mede cerca de 1.600 quilômetros de largura. Apesar das proporções gigantescas, as imagens representam apenas um pedacinho do Sol. Para colocar tudo isso em perspectiva, a imagem abaixo inclui a Terra em escala.

Grânulos solares ao lado da Terra em escala (Imagem: Reprodução/NSO/AURA/NSF)
Grânulos solares ao lado da Terra em escala (Imagem: Reprodução/NSO/AURA/NSF)

Segundo o astrônomo Matt Mountain, presidente da Associação de Universidades para Pesquisa em Astronomia (AURA), cortamos a fita em uma "nova era da Física Solar" com a inauguração do Inouye. A ciência realizada com os dados do telescópio darão informações importantes sobre a atividade solar.

Com essas pesquisas, os cientistas esperam compreender melhor os mecanismos das manchas solares que culminam nas tempestades solares, que podem causar apagões globais, interrupção dos sinais de comunicação e na Internet. As primeiras observações científicas do Inouye foram reveladas em maio deste ano.

Propriedade da National Science Foundation (NSF), o Inouye é o resultado de mais de 25 anos de planejamento. Ele está localizado no cume do vulcão oriental de Maui, chamado Haleakalā. Em 31 de agosto, uma delegação de líderes da NSF, e membros das comunidades científica e nativa havaiana se reuniram perto do cume para a comemoração de um ano.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: