Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,03
    +2,54 (+3,20%)
     
  • OURO

    1.672,10
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    18.987,12
    -320,24 (-1,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.011,25
    -24,25 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    -0,0039 (-0,07%)
     

Veja a Nebulosa da Lagosta fotografada por câmera de 570 megapixels

O centro de pesquisa NOIRLab revelou uma foto incrível da Nebulosa da Lagosta em comemoração aos dez anos de descobertas e exploração da câmera Dark Energy Camera (DECam), uma ferramenta com resolução de 570 megapixels instalada no telescópio Victor M. Blanco.

A nebulosa em questão é uma região de formação estelar a cerca de 8 mil anos-luz da Terra, que aparece na foto com estrelas jovens e brilhantes imersas em nuvens de gás e poeira.

Catalogada como “NGC 6537”, a nebulosa abriga em seu centro o aglomerado estelar aberto Pismis 24, formado por um grupo de estrelas brilhantes e massivas. Ao redor do aglomerado, há uma região formada por protoestrelas, estrelas “bebês” ainda envolvidas em coberturas de material de formação estelar. A região guarda também núcleos de gás e poeira, que vão dar origem a novas estrelas.

Confira a bela imagem:

A Nebulosa da Lagosta é uma bela região de formação estelar (Imagem: Reprodução/CTIO/NOIRLab/DOE/NSF/AURA)
A Nebulosa da Lagosta é uma bela região de formação estelar (Imagem: Reprodução/CTIO/NOIRLab/DOE/NSF/AURA)

A foto foi produzida por meio de alguns filtros de banda estreita da DECam, que isolam determinados comprimentos de luz. Com eles, os astrônomos conseguem entender os processos físicos de objetos distantes e parâmetros deles, como movimento, temperatura, composição química e mais.

Uma das características mais impressionantes da imagem são as cores, escolhidas cuidadosamente para destacar diferentes aspectos da nebulosa. Para isso, o objeto foi observado várias vezes com diferentes filtros; cada observação rendeu uma imagem de cor única, que representa determinadas ondas de luz.

Depois, os especialistas usaram as imagens individuais e determinaram cores correspondentes para cada uma. Em seguida, as imagens foram empilhadas, criando uma composição que representa, com alta fidelidade, como a nebulosa seria se fosse bem mais brilhante do que realmente é.

Esta imagem foi revelada durante a conferência dos 10 anos da DECam, que destacou os resultados científicos obtidos na última década. A câmera faz parte do telescópio do Observatório Interamericano de Cerro Tololo, e já chegou à marca de um milhão de exposições individuais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: