Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.655,12
    +1.067,52 (+3,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Veja as melhores imagens do 13º concurso fotográfico de astronomia do Observatório Real de Greenwich

·16 minuto de leitura
Veja as melhores imagens do 13º concurso fotográfico de astronomia do Observatório Real de Greenwich
Veja as melhores imagens do 13º concurso fotográfico de astronomia do Observatório Real de Greenwich

Imagens incríveis, como auroras acima da Terra e visões de um berçário estelar a 554 anos-luz de distância, encantaram os olhares dos jurados que ajudaram a eleger as melhores fotografias de astronomia de 2021, na 13ª edição do concurso fotográfico do Observatório Real de Greenwich.

Realizado em parceria com a revista BBC Sky at Night, o concurso atraiu mais de 4,5 mil inscrições de 75 países diferentes. Os ganhadores em 12 categorias serão anunciados no dia 16 de setembro, e as fotografias vencedoras serão exibidas no Museu Marítimo Nacional de Londres.

Confira as 38 mais belas fotografias de astronomia do ano

Aqui estão, em ordem totalmente aleatória, as 38 finalistas, para você poder apreciar esses belíssimos registros do universo.

Trânsito diurno

A Estação Espacial Internacional viaja em uma lua crescente nesta foto à luz do dia. O fotógrafo Andrew McCarthy, de Elk Grove, Califórnia, usou duas câmeras e dois telescópios para capturar as imagens, que ele então mesclou em uma cena perfeita.

Imagem: Andrew McCarthy
Imagem: Andrew McCarthy

Para a imagem monocromática, McCarthy usou um telescópio Celestron EdgeHD800 em f / 10, montagem Hobym Traveler, câmera ZWO ASI174MM, exposição de 1.000×1 milissegundo. E para a cor, ele escolheu o telescópio Orion XT10 em f / 10, Hobym Traveler suporte, câmera Sony A7II, ISO 200, exposição de 1 milissegundo.

Aurora em Murmansk

A aurora boreal ofusca as luzes de Murmansk, na Rússia, nesta fotografia tirada em janeiro de 2020. O fotógrafo Vitaliy Novikov teve que esperar por uma forte explosão solar para que a aurora ficasse visível, apesar das luzes da cidade.

Imagem: Vitaliy Novikov
Imagem: Vitaliy Novikov

Para capturar as claraboias, Novikov usou uma câmera Nikon D850, com lente 24 mm f / 5.6, ISO 1000 e exposição de 0,8 segundo.

Nebulosa do Véu Bicolor

Esta imagem foi costurada a partir de fotos tiradas da Nebulosa do Véu em junho, julho e agosto de 2020. A nebulosa é o remanescente de uma explosão de supernova gigante – o estertor da morte de uma estrela massiva. A imagem foi feita no condado de Pest, Hungria.

Imagem: Péter Feltóti
Imagem: Péter Feltóti

Para obter este resultado, o fotógrafo usou um telescópio SkyWatcher 200/800 Newton Astrograph em f / 4.6, filtros Astronomik Ha e OIII, montagem SkyWatcher NEQ6 Pro, câmera Moravian G3-16200 Mark II, composto Ha-OIII em 12 horas de exposição total.

Château de Chambord

Este castelo em Centre-Val de Loire, na França, era o sonho de fotógrafo e um desafio para Benjamin Barakat, do Reino Unido, que precisava tirar fotos durante pausas de um minuto na iluminação do castelo, que ocorriam uma vez a cada 15 minutos.

Imagem: Benjamin Barakat
Imagem: Benjamin Barakat

Ele usou o seguinte equipamento: telescópio Sigma Art 40 mm, montagem iOptron SkyTracker Pro, câmera modificada Canon 6D Baader. Para o primeiro plano, Baraket usou uma lente 40 mm f / 2.8, ISO 3200, com exposições de 4 x 30 segundos; e para o céu, foi utilizada uma lente de 40 mm f / 2, ISO 1600, com exposições de 8 x 30 segundos.

Cometa Neowise sobre Stonehenge

Stonehenge nem sequer existia há 6,8 mil anos, da última vez que o cometa Neowise passou pela Terra.

Esta foto impressionante, capturada por James Rushforth, do Reino Unido, indica as incríveis mudanças que nosso planeta viu desde a última ocorrência do fenômeno astronômico.

Imagem: James Rushforth
Imagem: James Rushforth

Um brilho laranja emana das aldeias de Durrington e Larkhill, e as luzes de um caminhão que passa por ali iluminam as pedras.

Equipamento utilizado para a captura desta imagem: câmera Nikon D850, lente de 70–200 mm a 100 mm f / 2.8, ISO 5000, com exposição de 4 segundos.

Nebulosa Cabeça de Golfinho

A Nebulosa Cabeça de Golfinho fica no meio da constelação Canis Major. Yovin Yahathugoda, do Sri Lanka, capturou esta imagem com a ajuda do telescópio remoto Telescope Live, no Chile. O lindo resultado representa 90 minutos de tempo de exposição espalhados por três noites de clima não cooperativo.

Imagem: Yovin Yahathugoda
Imagem: Yovin Yahathugoda

Yahathugoda usou o telescópio ASA 500N em f / 3.8, filtros Astrodon, montagem ASA DDM85 Premium, câmera FLI PL16803, composto Ha-OIII, com 1,5 hora de exposição total.

Dugi Otok – Variante A

Rastros de estrelas revelam a rotação da Terra nesta impressionante foto tirada sobre Dugi Otok, na Croácia. As estrelas refletidas na água foram adicionadas na pós-produção, porque os ventos sobre a água impediram o fotógrafo, Ivan Vucetic, de capturar o reflexo das estrelas na vida real.

Imagem: Ivan Vucetic
Imagem: Ivan Vucetic

Vucetic usou uma câmera Nikon D600, lente 20 mm f / 2.8, ISO 1600. O primeiro plano exigia uma exposição de 526 segundos, e o céu, 247 x 25 segundos.

Leia mais:

Glória de Damavand e da Via Láctea

Nesta imagem, a Via Láctea brilha sobre o Monte Damavand, Irã, em maio de 2020. Para capturá-la, Masoud Ghadiri fez uma caminhada de sete horas para melhor se posicionar. A foto contém 10 imagens empilhadas, cinco para o céu e cinco para o primeiro plano.

Imagem: Masoud Ghadiri
Imagem: Masoud Ghadiri

Ghadiri usou câmera Nikon D850, montagem Vixen Polarie, lente 24 mm f / 4, ISO 6400, com exposições de 10 x 30 segundos.

Harmonia

Esta imagem da Via Láctea contrasta as estrelas da galáxia com os campos de lavanda de Valensole, na França. Stefan Liebermann fotografou o primeiro plano e o céu noturno separadamente, porque a lavanda soprada pela brisa ficaria parecida com um borrão nas longas exposições necessárias para capturar a beleza da Via Láctea.

Imagem: Stefan Liebermann
Imagem: Stefan Liebermann

Liebermann capturou a foto com uma câmera Sony ILCE-7M3 , montagem Fornax Mounts LighTrack II, lente 16 mm f / 2.8. Para o primeiro plano: ISO 2500, com exposições de 15 x 0,8 segundos; e para o céu: ISO 2000, 5 x Exposições de 120 segundos.

Islândia Vortex

Nesta foto, tirada em janeiro de 2020, a aurora ilumina o céu perto de Vik,na Islândia. O fotógrafo Larryn Rae disse que capturar as luzes do norte sobre o poderoso ambiente natural da Islândia no inverno foi uma experiência incrível.

Imagem: Larryn Rae
Imagem: Larryn Rae

Rae usou uma câmera Canon EOS 5D Mark 4, lente 16 mm f / 2.8, ISO 6400, com exposições de 20 x 6 segundos.

Luna Park

Esta é a entrada do Luna Park, um parque de diversões abandonado em Sydney, na Austrália. O local fica às escuras apenas algumas horas todas as noites. Esse período fugaz de escuridão permitiu ao fotógrafo Ed Hurst capturar esta imagem de estrelas contra a extinta construção.

Imagem: Ed Hurst
Imagem: Ed Hurst

Park usou uma câmera Pentax 645Z, lente 25 mm f / 4 DA. Para o primeiro plano: ISO 100, com exposição de 60 segundos em f / 13; para o céu: ISO 1250, com exposições de 3.004 x 1,6 segundos em f / 5.

Pôr do sol marciano

Imagem: John White
Imagem: John White

O Sol se põe em Marte nesta foto feita a partir de imagens tiradas pelo rover Curiosity, em 2015. Nela, o Sol parece um pouco menor do que na Terra, dada a maior distância de Marte de nossa estrela mais próxima. A foto é creditada a John White.

Via Láctea subindo sobre a Durdle Door

Nesta fotografia, de maio de 2020, vemos a Durdle Door, uma formação rochosa costeira em Dorset, na Inglaterra, e, sobre ela, a Via Láctea. Feita por Anthony Sullivan, a foto também revela Saturno e Júpiter visíveis acima do horizonte, no lado esquerdo do quadro.

Imagem: Anthony Sullivan
Imagem: Anthony Sullivan

Sullivan capturou as imagens com uma câmera Canon 6D. Para o primeiro plano: lente 20 mm f / 8, ISO 100, com exposição de 244 segundos. E para o céu: lente 20 mm f / 4, ISO 1600, 4 x 240 segundos de exposições.

Nascer da lua sobre o banco Jodrell

O Sol poente ilumina as nuvens, enquanto a Lua aparece sobre o telescópio Lovell, no noroeste da Inglaterra. Matt Naylor tirou a foto da Capela Holmes, em 29 de dezembro de 2020.

Imagem: Matt Naylor
Imagem: Matt Naylor

Naylor usou uma câmera Canon EOS 90D, lente Canon EF 100–400 mm a 286 mm f / 14, ISO 100, com exposição de 1/15 de segundo.

NGC 2024 – Nebulosa da Chama

A Nebulosa da Chama fica na constelação de Órion, entre 900 e 1,5 mil anos-luz de distância da Terra. Steven Mohr capturou esta imagem composta da Austrália entre novembro e dezembro de 2020.

Imagem: Steven Mohr
Imagem: Steven Mohr

Mohr usou um telescópio planewave CDK 12,5 “em f / 8, filtros Astrodon e Baader, montagem AP900GTO, câmera SBIG STXL-1100 + AOX, composto L-RGB-Ha, com 23 horas de exposição total.

NGC 3981

NGC 3981 é uma galáxia a 65 milhões de anos-luz de distância na constelação da Cratera. Aqui, sua interação com uma galáxia próxima é clara – os braços externos estão sendo confusos e varridos pela gravidade agindo entre os dois objetos.

Imagem: Bernard Miller
Imagem: Bernard Miller

Bernard Miller, o fotógrafo, usou um telescópio ASA RC-1000AZ em f / 6.8, filtros Astrodon, montagem ASA Alt-Azimuth Direct Drive, câmera FLI PL16803, composto L-RGB, com 34 horas de exposição total.

NGC 6188 SHOrgb pela equipe Cielaustral

NGC 6188 é uma nebulosa impressionante encontrada na constelação de Ara, a cerca de 4 mil anos-luz da Terra. A equipe da Cielaustral costurou um mosaico de imagens tiradas ao longo de mais de 250 horas para criar esta foto da região gasosa do espaço. A equipe de fotógrafos incluiu Jean-Claude Canonne, Didier Capelão, Georges Chassaigne, Philippe Bernhard, Laurent Bourgon e Nicolas Outters.

Imagem: Jean-Claude Canonne, Didier Capelão, Georges Chassaigne, Philippe Bernhard, Laurent Bourgon e Nicolas Outters
Imagem: Jean-Claude Canonne, Didier Capelão, Georges Chassaigne, Philippe Bernhard, Laurent Bourgon e Nicolas Outters

A imagem foi capturada com um telescópio caseiro CDK 20 “em f / 6.8, montagem Paramount ME2, câmera Moravian G4 16803, composto RGB-Ha-SII-OIII, com 253 horas de exposição total.

Nuvem Molecular Escura em Corona Australis

Esta é uma fatia do tamanho da lua cheia da nuvem molecular negra encontrada dentro da Corona Australis, uma constelação a 554 anos-luz de distância. Dentro desta nuvem, novas estrelas nascem. À esquerda está NGC 6723, um aglomerado globular que fica a impressionantes 28,4 mil anos-luz de distância.

Imagem: Steven Mohr
Imagem: Steven Mohr

O fotógrafo Steven Mohr usou um telescópio planewave CDK 12,5 “em f / 8, filtros Astrodon e Baader, montagem AP900GTO, câmera SBIG STXL-11000 + AOX, composto L-RGB-Ha, com exposição total de 82,58 horas.

Caminho da Lua Cheia acima da Cidade Adormecida

A Lua viaja sobre Paris nesta fotografia que foi tirada do apartamento do fotógrafo Rémi Leblanc-Messager, na parte central da cidade, durante um período de toque de recolher pandêmico, em fevereiro de 2021.

Imagem: Rémi Leblanc-Messager
Imagem: Rémi Leblanc-Messager

Foi utilizada uma câmera Canon EOS 6D , lente 28 mm f / 6.3, ISO 200, com exposições de 1.080 x 15 segundos.

Irmãs Plêiades

Jashanpreet Singh Dingra, de apenas quatorze anos, tirou esta foto do aglomerado de estrelas das Plêiades sobre o Punjab, na Índia, em dezembro de 2020.

Imagem: Jashanpreet Singh Dingra
Imagem: Jashanpreet Singh Dingra

Equipamento: telescópio Takahashi FSQ-85ED a 450 mm f / 5.3, filtros Astrodon, montagem Avalon M-Uno, câmera QSI 660WSG-8, composto L-RGB-Ha,com exposição total de 3 horas e 3 minutos.

Proximidade

A galáxia de Andrômeda preenche esta imagem, tirada pelo fotógrafo húngaro Péter Feltóti em várias exposições, entre outubro de 2017 e janeiro de 2021.

Imagem: Péter Feltóti
Imagem: Péter Feltóti

Equipamento: telescópio SkyWatcher 200/800 Newton Astrograph em f / 4, filtros Astronomik, montagem SkyWatcher NEQ6 Pro, ZWO ASI183MM Pro, Moravian Instruments G3 16200 Mk II e câmeras Canon EOS 600D, composto L-RGB-Ha, com exposição total de 14,1 horas.

Saturno no seu melhor

Os detalhes dos anéis de Saturno se destacam em uma beleza surpreendente nesta fotografia tirada por Damian Peach, da Espanha, em julho de 2020. O hexágono polar do planeta, um padrão de nuvem persistente, é visto perto do pólo.

Imagem: Damian Peach
Imagem: Damian Peach

Como equipamento, foi utilizado um telescópio Cassegrain ASA 500 mm, com montagem SkyWatcher EQ-8, câmera ZWO ASI290MM, c.100.000 x exposições de 0,03 segundos.

Star Fall

Imagem: Wang Zheng
Imagem: Wang Zheng

Esculturas no deserto de Tengger perto de Wuwei, China, refletem a luz da Via Láctea nesta foto tirada em agosto de 2020, pelo fotógrafo Wang Zheng. As colunas de metal que apontam para o céu são chamadas de gotas de chuva. Para capturar a imagem, Zheng posicionou a câmera em um ponto baixo no centro da escultura.

Trilhas de estrelas no horizonte da cidade de Lujiazui

Estrelas percorrem o céu sobre a cidade de Lujiazui, no distrito de Pudong em Xangai. A poluição luminosa torna este um lugar difícil de fotografar, mas uma noite clara de outono permitiu ao fotógrafo Daning Kai capturar essa lembrança do céu noturno acima das áreas urbanas.

Imagem: Daning Kai
Imagem: Daning Kai

Equipamento: câmera Sony ILCE-7RM3 , lente 16 mm f / 5.6, ISO 100, com exposições 305 x 15 segundos.

Observador estelar

O fotógrafo Yang Sutie estava dirigindo em uma estrada de montanha no Tibete, tarde da noite, quando percebeu a Via Láctea e as montanhas se alinhando para a foto perfeita. Ele relata que configurou sua câmera para disparar automaticamente e subiu a encosta para entrar no quadro por conta própria.

Imagem: Yang Sutie
Imagem: Yang Sutie

Equipamento: câmera Nikon Z 7II , lente 17 mm f / 2.8; luzes e figura do carro: ISO 1000, exposições de 2 x 25 segundos; céu e montanhas: ISO 6400, com exposição de 25 segundos.

Nascer do sol da cidade mágica

A poucos minutos do distrito financeiro de Lujiazui, em Xangai, o nascer do sol assume uma beleza particular. O fotógrafo Jiajun Hua fez quatro exposições da mesma perspectiva para capturar esta imagem.

Imagem: Jiajun Hua
Imagem: Jiajun Hua

Equipamento: câmera Sony ILCE-7RM3 , lente 403 mm f / 9, ISO 320, com exposições 4 x 1/320 segundos.

Mancha solar olhando para o espaço

Uma mancha solar pisca nesta imagem da cromosfera do Sol, parte da atmosfera externa da estrela no centro de nosso sistema solar. O fotógrafo Siu Fone Tang empilhou várias imagens e aprimorou-as no Photoshop para mostrar o contraste nessa camada inquieta do Sol.

Imagem: Siu Fone Tang
Imagem: Siu Fone Tang

Equipamento: telescópio SkyWatcher Esprit 150 em f / 7, lente DayStar Quark Gemini, montagem SkyWatcher EQ8Rh-Pro, câmera ZWO ASI174MM, com exposições de 2.000 x 16 milissegundos.

A caverna

Contraste escuro e claro nesta foto da aurora boreal vista de uma caverna, feita por Markus van Hauten em janeiro perto de Breidamerkurjökull, Islândia.

Imagem: Markus van Hauten
Imagem: Markus van Hauten

Van Hauten usou como equipamento: câmera Canon EOS 5D Mark IV , lente 16 mm f / 4; primeiro plano: ISO 100, exposição de 1 / -800 segundos; céu: ISO 800, com exposição de 20 segundos.

A cauda de íons excepcionalmente ativa do cometa 2020F8 SWAN

O cometa 2020F8 SWAN é um visitante da Nuvem de Oort que envolve o sistema solar. Ele pode ter se desintegrado completamente depois que apareceu no céu meridional em maio de 2020, mas deixou para trás esta imagem indelével de sua cauda rica em gás, capturada por Gerald Rhemann da Áustria.

Imagem: Gerald Rhemann
Imagem: Gerald Rhemann

Equipamento: telescópio ASA Astrograph 12 “em f / 3.6, montagem ASA DDM 85, câmera FLI ML16200, composto LRGB, com exposição total de 21 minutos.

Os Olhos de Clavius

A cratera Clavius, ​​nas terras altas do sul da Lua, parece abrigar dois olhos – crateras realmente menores – iluminadas pelo sol nascente, nesta foto tirada por Thea Hutchinson, em Londres, em fevereiro de 2021.

Imagem: Thea Hutchinson
Imagem: Thea Hutchinson

Equipamento: telescópio Celestron C11 HD Schmidt-Cassegrain em f / 10, filtro Baader, montagem Celestron CGE Pro, câmera ZWO ASI174MM, com exposições de 1.200 x 5.895 milissegundos.

A lua cheia em Moscou

A lua cheia nasce sobre Hodynka, um parque em Moscou que já foi um campo de aviação. Moscou costuma ter tempo nublado, mas o céu cooperou com a fotógrafa Anna Kaunis, nesta foto de julho de 2020.

Imagem: Anna Kaunis
Imagem: Anna Kaunis

Equipamento: câmera Nikon Z6 , lente 200–500 mm a 500 mm f / 22, ISO 400, com exposição de 0,25 segundo.

O campo magnético do nosso Sol ativo

As linhas do campo magnético brilham no Sol nesta imagem que foi originalmente capturada em preto e branco. Andrew McCarthy capturou esta foto após uma grande explosão solar, em novembro de 2020.

Imagem: Andrew McCarthy
Imagem: Andrew McCarthy

Equipamento: telescópio Coronado Solarmax III em f / 5, montagem Hobym Traveler, câmera ZWO ASI178MM, com exposição de 6 milissegundos.

A Via Láctea na Vila Antiga

As estrelas brilham acima da vila de Hongcun, perto da montanha Huangshan, na província de Anhui, na China. Hongcun foi povoada por pelo menos 900 anos e é um Patrimônio Mundial. Zhang Xiao tirou esta foto depois de uma da manhã, quando as luzes da rua se apagaram.

Imagem: Zhang Xiao
Imagem: Zhang Xiao

Equipamento: câmera Canon EOS 6D Mark II, lente 35 mm f / 1.4, ISO 2500, com exposições de 20 x 13 segundos.

A Rosa

Esta imagem de Messier 57, de Josep Drudis, mostra hidrogênio (vermelho), oxigênio (verde e azul) e nitrogênio (vermelho profundo) na nebulosa planetária também conhecida como Nebulosa do Anel. Uma nebulosa planetária é o que resta depois que uma estrela semelhante ao Sol morre.

Imagem: Josep Drudis
Imagem: Josep Drudis

Equipamento: telescópio Planewave CDK24 em f / 6.5, filtros Astrodon, montagem Planewave L600, câmera FLI PL16803, composto RGB-Ha-NII-OIII, com exposição total de 63 horas.

A alma do espaço

O fotógrafo Kush Chandaria, que capturou esta imagem da Nebulosa da Alma, tem apenas 13 anos. Resultado de mais de 14 horas de exposição, esta imagem mostra os pequenos detalhes da nebulosa, que se encontra na constelação de Cassiopeia.

Imagem: Kush Chandaria
Imagem: Kush Chandaria

Equipamento: telescópio Celestron NexStar Evolution 9,25 ” af / 6.3, redutor focal Celestron, filtros Astronomik, montagem SkyWatcher EQ6-R Pro, câmera ZWO ASI1600MM Pro, composto Ha-SII-OIII, com exposição total de 14,4 horas.

Observador de Estrelas

Uma ponte de pedra natural na ilha de Menorca, Espanha, fica sob uma extensão vertical da Via Láctea nesta imagem tirada por Antoni Cladera Barceló em julho de 2020. A ilha mediterrânea é uma Reserva Starlight devido à sua falta de poluição luminosa.

Imagem: Antoni Cladera Barceló
Imagem: Antoni Cladera Barceló

Equipamento: câmera Nikon Z6 , lente 14 mm f / 2.8, ISO 6400, com exposições de 6 x 15 segundos.

O tumulto do Sol

Esta imagem turbulenta do Sol, tirada por Hassan Hatami, do Irã, foi costurada dos arquivos do Solar Dynamics Observatory. Ele contém imagens feitas com vários comprimentos de onda de luz para mostrar o máximo de detalhes possível.

Imagem: Hassan Hatami
Imagem: Hassan Hatami

Equipamento: Solar Dynamics Observatory – Atmospheric Imaging Assembly (13 de janeiro de 2015), AIA 171, 193 e 211 canais, NASA.

Cascata

Esta cachoeira remota na Lapônia, Suécia, provou ser um ponto de vista frio para as luzes do norte. Enquanto esperava pela aurora, a fotógrafa Anna Dobrovolskaya-Mints apontou sua câmera para as estrelas, capturando uma imagem deslumbrante das trilhas das estrelas e do início das luzes dançantes.

Imagem: Anna Dobrovolskaya-Mints
Imagem: Anna Dobrovolskaya-Mints

Equipamento: câmera Sony A7R3, lente Leica Summicron-M 28 mm f / 2; primeiro plano: lente de 28 mm em f / 5.6, ISO 1600, 3 x 151 segundos; céu: lente de 28 mm em f / 2, ISO 3200, com exposições de 587 x 10 segundos.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos