Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.035,61
    -1.899,90 (-3,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Veja foto do asteroide que se aproximou da Terra nesta segunda (12)

Wyllian Torres
·3 minuto de leitura

Por volta das 10h (horário de Brasília) da manhã desta segunda (12), o asteroide 2021 GW4 passou pelo seu ponto mais próximo da Terra, a uma distância mínima de 20 mil km. Embora o objeto tenha passado a 5% da distância entre nosso planeta e a Lua, não apresentou nenhum risco, pois é muito pequeno — estimado em 3,5 a 7,7 metros de diâmetro —, e o pessoal do Virtual Telescope Project fez um registro do objeto.

O asteroide 2021 GW4 foi descoberto em 8 de abril deste ano por astrônomos do Mount Lemmon Survey, do projeto Catalina Sky Survey — responsável por descobrir asteroides potencialmente perigosos. Segundo o Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra (CNEO), da NASA, o projeto já colaborou com a identificação de 500 asteroides só neste ano.

A imagem foi obtida pelo fundador do Virtual Telescope Project, o astrônomo e astrofísico italiano Gianluca Masi, de maneira remota. É o resultado de uma única exposição de 180 segundos, através da unidade robótica chamada Elena — um telescópio que fica virtualmente disponível para seus usuários. O Elena acompanhou o movimento aparente do asteroide; por isso, ao fundo, os objetos luminosos aparecem como riscos, enquanto o 2021 GW4 se destaca como um ponto brilhante e nítido no centro da imagem. Masi explica que, durante o registro, o céu estava nublado e que teve “a sorte de capturar uma boa imagem”.

O asteroide está indicado com a seta branca no centro da imagem (Imagem: Reprodução/Gianluca Masi/The Virtual Telescope Project)
O asteroide está indicado com a seta branca no centro da imagem (Imagem: Reprodução/Gianluca Masi/The Virtual Telescope Project)

Durante a captura da imagem, o asteroide estava a cerca de 300 km de distância da Terra e cada vez mais próximo daqui, sendo que, na manhã desta segunda (12), se aproximou de forma significativa da Terra. Para efeitos de comparação, os satélites geoestacionários orbitam o planeta a uma distância de 32 mil km — enquanto o ponto mais próximo do 2021 GW4 foi a uma distância aproximada de 20 mil km.

É raro que asteroides se aproximem tanto assim da Terra, no entanto, só neste ano o CNEOS já registrou quatro objetos com trajetórias passando entre nosso planeta e a Lua. O 2021 GW4 é o maior deles e leva, até o momento, a medalha de bronze quanto à distância mínima de aproximação. Mas o asteroide, com tamanho próximo de um carro, entre 3 a 7 metros de diâmetro, não apresentou nenhuma ameaça — por ser pequeno demais, mesmo se ele estivesse em rota de colisão, dificilmente ele resistiria à travessia da atmosfera terrestre, sendo totalmente queimado e talvez só alguns pequenos fragmentos chegassem ao solo de qualquer maneira.

Trajetória do 2021 GW4 passando bem próximo a Terra (Imagem: Captura de Tela/JPL Small-Body Database Browser)
Trajetória do 2021 GW4 passando bem próximo a Terra (Imagem: Captura de Tela/JPL Small-Body Database Browser)

De acordo com os cálculos da NASA, este é o ponto mais próximo que o asteroide passará da Terra no próximo século, embora leve quase dois anos para complementar uma volta ao redor do Sol. Até agora, o CNEOS identificou cerca de 25.500 asteroides próximos do nosso planeta, mas a maioria não apresenta nenhuma ameaça. Objetos pequenos como o 2021 GW4 normalmente são descobertos “por acaso” enquanto os astrônomos procuram pelos maiores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: