Mercado abrirá em 6 h 51 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,67
    +1,41 (+2,13%)
     
  • OURO

    1.782,60
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    49.009,03
    -77,29 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.261,68
    -180,08 (-12,49%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.466,39
    -300,30 (-1,26%)
     
  • NIKKEI

    27.931,28
    -98,29 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    15.737,25
    +19,50 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3793
    -0,0160 (-0,25%)
     

Veja como átomos de ferro se organizam nas condições extremas do núcleo da Terra

·3 min de leitura

A pressão no núcleo externo da Terra varia entre 135 e 330 Gigapascais, equivalentes a 1,3 e 3,3 milhões de atmosferas terrestres. Além disso, a temperatura por lá fica entre 3.727 e 4.727 graus Celsius — são condições extremas o suficiente para alterar a estrutura dos cristais de ferro. Mas o que acontece exatamente? Como os átomos se organizam no núcleo? Foi isso o que os cientistas descobriram ao recriar essas condições em laboratório.

Em condições normais da superfície da Terra, a estrutura dos cristais do ferro é uma rede cúbica de átomos organizados em uma espécie de grade. Em cada canto desses cubos e no centro, há um átomo. Quando o ferro é comprimido através de pressão extremamente alta, essa rede se adapta no formato hexagonal para que mais átomos sejam acomodados no mesmo volume de espaço. Mas essa ainda não é a situação no centro da Terra.

Para descobrir o que acontece com os cristais de ferro em condições ainda mais extremas, uma equipe do National Accelerator Laboratory (SLAC) nos EUA implantou dois lasers que, juntos, simularam o núcleo externo terrestre. O primeiro é um laser óptico, que foi disparado contra uma amostra microscópica de ferro, submetendo-a a um choque que gerou intensa pressão e calor — mais precisamente 187 Gigapascais de pressão e temperaturas de até 4.070 Kelvin.

A próxima etapa foi medir a estrutura atômica do ferro durante esse processo para, enfim, descobrir a estrutura dos cristais no centro de nosso planeta. Para isso, a equipe usou o Linac Coherent Light Source (LCLS), um laser que gera “instantâneos” de raios-X dos átomos e moléculas. O LCLS do SLAC foi projetado justamente para fornecer detalhes das disposições atômicas em escalas de tempo ultrarrápidas, com objetivo de estudar processos fundamentais em materiais.

(Imagem:Reprodução/S. Merkel/Universidade de Lille)
(Imagem:Reprodução/S. Merkel/Universidade de Lille)

Essa última etapa é incrivelmente rápida, fazendo medições em um bilionésimo de segundo, de acordo com Arianna Gleason, do SLAC. As imagens resultantes foram compiladas em uma sequência e revelaram que os átomos de ferro da rede, naquelas condições, passam a compartilhar espaço por vários cristais de maneira simétrica. As formas hexagonais giram em quase 90 graus para formar uma rede que resista às pressões e temperaturas extremas.

Esse mecanismo para lidar com o estresse é chamado de "geminação". É quando o arranjo dos átomos se desvia para o lado, girando todos os prismas hexagonais em quase 90 graus; isso ocorre em diversos metais e minerais como o quartzo, calcita, titânio e zircônio. “A geminação permite que o ferro seja incrivelmente forte - mais forte do que pensávamos — antes de começar a fluir plasticamente em escalas de tempo muito mais longas”, disse Gleason.

Essa foi a primeira vez que uma equipe conseguiu medir o comportamento dos cristais de ferro em condições tão extremas. Isso é importante não apenas para entender melhor o núcleo de nosso próprio planeta, mas também para modelar e simular outros objetos espaciais distantes. Um exemplo são os asteroides altamente metálicos que, de acordo com as suspeitas dos astrônomos, são núcleos expostos de protoplanetas que não evoluíram. Compreender esses e outros corpos, como os demais planejas rochosos, ajudará a entender melhor a história do próprio Sistema Solar.

O estudo foi publicado no Physical Review Letters.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos