Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,32
    -0,67 (-0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.640,94
    -157,44 (-0,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,51
    +0,23 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.766,30
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    61.202,89
    +507,41 (+0,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.429,52
    -22,11 (-1,52%)
     
  • S&P500

    4.484,31
    +12,94 (+0,29%)
     
  • DOW JONES

    35.243,89
    -50,87 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.203,83
    -30,20 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.409,75
    +78,75 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.025,46
    +474,56 (+1,66%)
     
  • NASDAQ

    15.282,00
    +147,50 (+0,97%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4013
    -0,0025 (-0,04%)
     

Vaza memorando de Tim Cook reclamando sobre vazamentos da Apple

·3 minuto de leitura

A Apple destaca frequentemente os cuidados de segurança e privacidade que implementa nos seus produtos. Porém, em determinadas áreas do seu negócio, essas medidas são um pouco menos efetivas. Vazamentos são um problema constante para a empresa, que apresentou na semana passada um iPhone 13 que já havia sido exaustivamente divulgado por fontes extraoficiais nos últimos meses.

Um dos problemas mais recentes de Tim Cook envolveu um memorando que comemorava o lançamento do iPhone 13, Apple Watch 7, iPad Mini 6 e outros produtos e serviços da marca. Vazado para a imprensa, o documento que deveria circular apenas entre funcionários ficou disponível para qualquer um ler. E, claro, a empresa não gosta disso — afinal, a comunicação com o público é muito bem planejada, incomodando quando algo sai dos eixos.

(Imagem: Divulgação/Apple)
(Imagem: Divulgação/Apple)

Por isso, o CEO da empresa divulgou um novo memorando aos funcionários nesta semana, destacando estar ciente dos vazamentos — que pela nota parece incomodar até mesmo os empregados da companhia. Mas bem, como sabemos disso? Simples: o novo documento de Tim Cook também vazou.

A carta de Tim Cook

Segundo o atual líder da Apple, a frustração dos colaboradores é compartilhada. Ele também destaca que a comunicação corporativa da Maçã só pode funcionar quando há confiança entre os envolvidos. Em uma nota branda, Tim Cook assegura que a empresa toma medidas para descobrir quem promove os vazamentos — destacando serem uma minoria. O executivo deixa claro que “quem vaza dados sigilosos não pertence à Apple”.

Querida equipe,

Foi ótimo estar em contato com vocês na reunião global de funcionários na última sexta-feira. Havia muito o que comemorar, desde nossa notável linha de novos produtos, até nosso trabalho baseado em valores em torno das mudanças climáticas, igualdade racial e privacidade. Foi uma boa oportunidade para refletirmos sobre nossas muitas realizações, e ter uma discussão sobre o que vocês têm em mente.

Estou escrevendo hoje porque ouvi dizer que muitos ficaram extremamente frustrados ao ver o conteúdo da reunião vazar para os repórteres. Isso ocorre após o lançamento de um produto no qual a maioria dos detalhes também vazou para a imprensa.

Quero que saibam que compartilho essa frustração. Essas oportunidades de nos conectarmos como uma equipe são muito importantes. Mas elas só funcionam se pudermos confiar que o conteúdo permanecerá dentro da Apple. Quero reafirmar que estamos fazendo tudo ao nosso alcance para identificar aqueles que vazaram informações. Como vocês sabem, não toleramos divulgação de informações confidenciais, seja de propriedade industrial do produto ou os detalhes de uma reunião confidencial. Sabemos que os vazamentos são feitos por um pequeno número de pessoas. Também sabemos que as pessoas que vazam informações confidenciais não pertencem a este lugar.

Enquanto olhamos para o futuro, quero agradecer por tudo que vocês fizeram para tornar nossos produtos uma realidade, e tudo que vocês farão para colocá-los nas mãos dos clientes. Ontem lançamos iOS 15, iPadOS 15 e watchOS 8, e sexta-feira marcou o momento em que compartilhamos alguns de nossos novos produtos incríveis com o mundo. Não há nada melhor do que isso. Continuaremos medindo nossas contribuições nas vidas que mudamos, nas conexões que promovemos, e no trabalho que fazemos para deixar o mundo um lugar melhor.

Obrigado,

Tim

O memorando acaba sendo também um alerta para os eventuais envolvidos. Mas sabe-se que a cadeia de produção da Apple é extremamente complexa. Por exemplo, quem fabrica os componentes dos celulares e tablets nem ao menos está sediado nos Estados Unidos. Há parceiras globais essenciais que precisam receber segredos — e isso torna tarefa ainda mais árdua proteger a comunicação interna.

Vale lembrar, algumas torneiras já estão abertas, pingando informações sobre futuros dispositivos da Apple. Estamos ouvindo falar em Macbooks Pro maiores ainda este ano, e quem sabe o primeiro headset de realidade aumentada da companhia para 2022. Vejamos se o CEO da Maçã conseguirá deixar informações sobre os dispositivos privadas até a oficialização.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos