Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,65 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,28
    +0,01 (+0,02%)
     
  • OURO

    1.856,40
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    32.661,32
    +183,35 (+0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    667,12
    +57,13 (+9,37%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,02 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.753,57
    +122,12 (+0,43%)
     
  • NASDAQ

    13.436,75
    +75,25 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6547
    +0,0027 (+0,04%)
     

Vaticano dá ok a vacina contra Covid feita com tecido de fetos abortados

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Vista da geral da Praça São Pedro, no Vaticano

O Vaticano disse aos católicos que é moralmente aceitável usar vacinas contra Covid-19 mesmo se sua produção utilizar culturas celulares extraídas de tecidos de fetos abortados.

Uma nota da congregação doutrinária do Vaticano, a Congregação para a Doutrina da Fé, disse nesta segunda-feira (21) que o uso de tais vacinas era permitido, desde que não houvesse alternativas.

O desenvolvimento de vacinas pode envolver o uso de culturas de células obtidas de fetos que foram abortados. No entanto, isso não significa que foi realizado um aborto para a produção dos imunizantes.

Leia também

As células obtidas para as pesquisas são de décadas atrás, foram replicadas e já foram usadas na produção e testes de diversos medicamentos. Além disso, no caso das vacinas, essas células são usadas como plataforma para produzir vírus atenuados, mas não estão presentes em sua composição.

A nota, explicitamente aprovada pelo Papa Francisco, segundo o Vatican News, afirmou que no caso da atual pandemia "podem ser usadas todas as vacinas reconhecidas como clinicamente seguras e eficazes com a consciência certa de que o uso de tais vacinas não significa cooperação formal com o aborto do qual derivam as células com as quais as vacinas foram produzidas".

A Congregação da Fé defende que a vacinação contra a Covid-19 deve ser voluntária, mas evidencia o dever de buscar o bem comum. Este bem comum, "na ausência de outros meios para deter ou mesmo prevenir a epidemia, pode recomendar a vacinação, especialmente para proteger os mais fracos e mais expostos", informa a nota.

A congregação também define como "um imperativo moral" garantir que vacinas eficazes e "eticamente aceitáveis" sejam acessíveis também nos países mais pobres e de forma não onerosa para eles. Segundo a entidade, a falta de acesso às vacinas "se tornaria outro motivo de discriminação e injustiça".

com Reuters e Extra