Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,87
    +0,60 (+1,15%)
     
  • OURO

    1.855,00
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    32.501,16
    -946,08 (-2,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    654,50
    -22,40 (-3,31%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.464,25
    +102,75 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6362
    -0,0158 (-0,24%)
     

Vasco deu 'all in' ao buscar estrangeiro com ano em curso e agora precisa sustentar posição

Nathalia Almeida
·2 minuto de leitura

Dolorosa e sem precedentes na história do confronto, a goleada sofrida pelo Vasco diante do Ceará, na noite da última segunda-feira (30), refletiu imediatamente nos bastidores e no clima em São Januário. Mecanismo quase automático/padrão no futebol brasileiro quando as coisas não vão bem, a ameaça de troca de comando técnico já começa a pairar sobre Ricardo Sá Pinto, contratado no início de outubro para substituir Ramon Menezes.

De acordo com a apuração do UOL Esportes, não há ameaça de demissão por ora, mas o trabalho do técnico luso está sob constante avaliação e as primeiras cobranças já começam a aparecer. Seu aproveitamento total desde que aterrissou em São Januário é de apenas 36,6% (2V, 5E, 3D), números bem abaixo dos emplacados por seu antecessor, demitido com 56% de aproveitamento.

2020 Brasileirao Series A: Santos v Vasco da Gama Play Behind Closed Doors Amidst the Coronavirus | Miguel Schincariol/Getty Images
2020 Brasileirao Series A: Santos v Vasco da Gama Play Behind Closed Doors Amidst the Coronavirus | Miguel Schincariol/Getty Images

No momento da decisão pela demissão de Ramon Menezes, o discurso adotado pela diretoria foi de que o trabalho já havia apresentado o que era seu ponto máximo de evolução, sem espaço para uma recuperação da curva para cima após sequência de derrotas que levaram o Vasco da liderança à beira da zona de rebaixamento. Com Sá Pinto, não houve involução ou evolução até o momento: com apenas um mês e meio de trabalho, o luso ainda tenta conhecer melhor seu limitado elenco e implementar um estilo de jogo seu, que por sinal é muito diferente em relação ao anterior.

Ao trocar um nome da casa que conhecia clube/plantel com a 'palma da mão' por um técnico estrangeiro em sua primeira experiência no Brasil - e com a temporada já em curso -, o Vasco deu 'all in', expressão utilizada no pôquer quando um jogador aposta todas as suas fichas em uma jogada. Agora, precisa sustentar essa posição e acreditar no projeto, o terceiro diferente buscado pelo clube somente em 2020: entre Abel, Ramon e Sá Pinto, praticamente não há similaridades e continuidades, e a história do futebol prova que esse número alto de rupturas, fruto de amadorismo e falta de planejamento, costuma culminar em desfecho trágico.

FBL-SUDAMERICANA-CARACAS-VASCO | MIGUEL GUTIERREZ/Getty Images
FBL-SUDAMERICANA-CARACAS-VASCO | MIGUEL GUTIERREZ/Getty Images