Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.370,14
    -403,04 (-0,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Vasco apresenta plano para pagar dívida de R$ 93,5 milhões a credores

·2 min de leitura


O Vasco deu um passo importante, na última sexta-feira, em relação à dívida com os credores. A direção do Cruz-Maltino apresentou ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro um plano de pagamento de R$ 93,5 milhões à Comissão de Credores - dívidas cível e trabalhista. Caso o plano seja aprovado, o clube terá o prazo de seis anos para quitar o valor. A informação foi inicialmente divulgada pelo portal 'GE".


O TJ-RJ confirmou a entrega do plano por meio de um comunicado, o que aconteceu um dia antes do prazo de 60 dias corridos contados a partir de 23 de agosto. Além disso, a Justiça informou que “todas as execuções em curso contra o Vasco da Gama e também qualquer medida constritiva sobre o patrimônio do clube” estão suspensas a partir de agora.

+ Confira e simule a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro

Vale lembrar que a execução em dívidas trabalhistas foi estabelecida por meio da criação do Regime Especial de Execução Forçada, após a exclusão do clube do Ato Trabalhista. Entre idas e vindas, a relatora Raquel de Oliveira Maciel deu razão aos credores e derrubou a suspensão da execução da dívida, o que afetaria o funcionamento do clube.

No entanto, o Vasco conseguiu na Justiça o direito e teve mais uma vez reconhecido o direito ao Regime Centralizado de Execuções (RCE), algo prevista na nova lei que instituiu o clube-empresa no Brasil. Dessa forma, o Cruz-Maltino apresentou o plano dentro do prazo estabelecido e agora aguarda a análise da Justiça para iniciar o pagamento.

- Se a execução forçada fosse mantida, ela inviabilizaria a apresentação do plano. Como o clube iria montar o planejamento se fosse executado em R$ 93 milhões? - indagou o vice jurídico do Vasco, José Cândido Bulhões Pedreira, na época.

+ Após vencer o líder, Vasco inicia sequência decisiva com quatro confrontos diretos na Série B


Por fim, cabe ressaltar que a recente lei assegura o direito a centralização das execuções a fim de evitar penhoras individuais. Além disso, ela estabelece o pagamento a credores em até seis anos mediante o repasse de 20% da receita mensal.

Confira o comunicado do do TJ-RJ

"O desembargador José Carlos Maldonado de Carvalho atendeu hoje a tutela de urgência para suspender todas as execuções em curso contra o Vasco da Gama e também qualquer medida constritiva sobre o patrimônio do clube. A decisão fixou o prazo de 60 dias para o clube apresentar o plano de credores ao Juízo Centralizador com ordem de pagamento, a quem caberá a fiscalização do seu cumprimento, sob pena de responsabilidade pessoal dos administradores.

O Vasco da Gama apresentou requerimento ao presidente do TJRJ com as dívidas apenas de natureza civil para, assim, permitir a abertura do concurso de credores por meio do Regime Centralizado de Execuções (RCE), de acordo com a Lei 14.193/2021. Sancionada em agosto, a Lei federal instituiu a Sociedade Anônima do Futebol e dispõe sobre as normas de constituição, governança, controle e transparência, meios de financiamento da atividade futebolística e tratamento dos passivos das entidades desportivas.

De acordo com o desembargador Maldonado de Carvalho, o Vasco da Gama preenche os requisitos para o requerimento, por se enquadrar nas regras especiais da nova Lei. Ressalta o magistrado que objetivo do Regime Centralizado de Execuções (RCE) é promover a reunião de todos os processos em fase executiva em um único Juízo Centralizador, com a suspensão das penhoras. A suspensão permitirá o cumprimento das dívidas conforme estabelecido pelo artigo 17 da Lei, que ordena os credores preferenciais ao recebimento dos pagamentos.

O desembargador Maldonado de Carvalho destaca que, deferido o RCE, o prazo para pagamento dos débitos de natureza civil será de seis anos, conforme previsto na legislação. O Tribunal de Justiça já disciplinou o Regime Centralizador de Execuções, com a constituição do Núcleo de Cooperação judiciária – Nucoop, para onde será encaminhado o processo do clube."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos