Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,24
    +0,63 (+0,73%)
     
  • OURO

    1.791,10
    -3,90 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    37.879,46
    +2.051,73 (+5,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,57
    +21,11 (+2,51%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.426,25
    +439,50 (+3,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0076
    -0,0164 (-0,27%)
     

De Varig a Avianca, relembre aéreas que encerraram operação no Brasil

·3 min de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA DF, 28.03.2014 - Balcão da Avianca no Aeroporto Internacional de Brasília. (Foto: Beto Barata/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA DF, 28.03.2014 - Balcão da Avianca no Aeroporto Internacional de Brasília. (Foto: Beto Barata/Folhapress)

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - A ITA (Itapemirim Transportes Aéreos) não é a primeira empresa aérea a enfrentar dificuldades financeiras no Brasil. Nos últimos 20 anos, pelo menos seis companhias deixaram de operar no país por razões semelhantes.

A Itapemirim destaca-se pela brevidade de suas atividades. A empresa começou a operar em junho de 2021, e pegou milhares de passageiros desprevenidos com o anúncio feito em dezembro, às vésperas das festas de final de ano, de que suspenderia sua operação. A aérea afirma que pretende retomar os voos "em breve".

A companhia convivia com atrasos de salários e benefícios de funcionários, suspensão do plano de saúde dos trabalhadores, dívidas com fornecedores, descumprimento de horários, cancelamentos de voos, atendimento criticado por clientes e envio de dados errados sobre número de passageiros para a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Atividade que exige grande volume de capital, não é raro que empresas aéreas enfrentem dificuldades financeiras. Relembre companhias que encerraram suas operações.

Varig

Um dos casos de falência mais marcantes no setor aéreo brasileiro foi o da Varig. Fundada em 1927, ela chegou a ser a principal companhia do Brasil --e uma das maiores do mundo.

Contudo, a partir da década de 1990, a Varig começou a apresentar prejuízo em seu balanço financeiro após a entrada de novas companhias estrangeiras.

No início dos anos 2000, a ascensão da TAM e a entrada da GOL no mercado acirraram a concorrência na aviação doméstica.

Em 2005, a companhia entrou em recuperação judicial e, dois anos mais tarde, foi vendida para a GOL. A falência da Varig foi decretada em 2010.

Vasp

A Vasp (Viação Aérea São Paulo) foi fundada em 1933 por um grupo de empresários de São Paulo, estatizada em 1935 e privatizada em 1990.

Assim como a Varig, a companhia também entrou nos anos 2000 passando por dificuldades financeiras. Com dívidas acumulando e uma frota sucateada, a Vasp solicitou recuperação judicial em 2005. Três anos depois, a falência foi decretada.

Transbrasil

Um dos maiores nomes do setor aéreo brasileiro nas décadas de 1980 e 1990, a Transbrasil também sucumbiu às dificuldades financeiras.

A companhia teve sua falência decretada em julho de 2001, a pedido da General Electric Capital Corporation, que disse não ter recebido o pagamento de uma dívida de US$ 2,6 milhões, referente a aluguéis de aviões e turbinas.

Avianca Brasil

Um dos exemplos mais recentes é o da Avianca Brasil, que deixou de operar no país em 2019. A empresa entrou em crise no ano anterior, deixando de pagar contratos de arrendamento de aeronaves e motores de sua frota.

A companhia, que chegou a ter 11% de participação no mercado doméstico, acumulou mais de R$ 2,7 bilhões em dívidas e teve sua falência decretada em julho de 2020.

Webjet

A Webjet foi criada por executivos do mercado financeiro em 2004, mas começou a operar apenas no ano seguinte. Poucos meses depois de fazer os primeiros voos, a companhia enfrentou sua primeira crise e chegou a ficar três dias sem operar nenhum de seus 26 trechos.

Em 2007, a Webjet foi comprada pela operadora de turismo CVC, que vendeu a empresa para a GOL em 2011. No ano seguinte, as atividades foram encerradas.

BRA

A crise financeira também foi o que levou BRA (Brasil Rodo Aéreo) a encerrar suas operações comerciais.

Fundada em 1999, a empresa atuou seis anos no mercado fretado até que, em 2005, passou a fazer voos regulares. No entanto, dois anos mais tarde, a BRA pediu à Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) a suspensão de todos os seus voos.

Na época, a companhia tinha 4,6% do mercado doméstico, e operava 315 voos mensais para 26 destinos nacionais e três internacionais. Atualmente, a BRA está em processo de recuperação judicial.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos