Mercado fechará em 6 h 17 min
  • BOVESPA

    129.592,59
    +78,98 (+0,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,57
    +0,27 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.787,60
    +10,90 (+0,61%)
     
  • BTC-USD

    32.900,64
    -1.081,37 (-3,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    789,51
    -53,14 (-6,31%)
     
  • S&P500

    4.274,28
    +7,79 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.334,02
    +137,20 (+0,40%)
     
  • FTSE

    7.133,80
    +23,83 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    29.288,22
    +405,76 (+1,40%)
     
  • NIKKEI

    29.066,18
    +190,95 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    14.383,75
    +29,50 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8784
    +0,0161 (+0,27%)
     

Variantes preocupantes de coronavírus são detectadas em 37 países ou territórios das Américas

·2 minuto de leitura

Uma ou mais das quatro variantes do novo coronavírus que preocupam as autoridades sanitárias foram detectadas até agora em 37 países e territórios das Américas, revelou a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) nesta sexta-feira (14).

Isso inclui mutações identificadas pela primeira vez no Reino Unido, Brasil, África do Sul e Índia.

Destas, a mais difundida na região é conhecida como variante britânica, encontrada em 34 países e territórios americanos, seguida pela brasileira, em 21, pela sul-africana, em 17, e pela indiana, em oito.

Os cinco países onde as quatro variantes preocupantes foram identificadas são Argentina, Canadá, Estados Unidos, México e Panamá. A este grupo se soma a ilha de Aruba, território holandês no Caribe.

Durante um seminário com jornalistas, Jairo Méndez Rico, assessor da Opas para doenças virais emergentes, disse que as mutações são naturais no processo de evolução e adaptação dos vírus.

No entanto, quando apresentam um potencial impacto ou risco à saúde pública, são consideradas Variantes de Preocupação (VOC, na sigla em inglês).

As VOCs estão associadas ao aumento da transmissibilidade do vírus, bem como ao aumento da virulência e/ou redução da eficácia das medidas de prevenção, tratamentos e vacinas.

Méndez Rico esclareceu que a maior capacidade de replicação dessas variantes não implica necessariamente em maior agressividade e destacou que até o momento não há evidências de que as vacinas disponíveis atualmente não sejam eficazes contra elas.

Ele ressaltou, porém, que quanto maior a circulação de vírus entre as populações, mais provável será a ocorrência de novas mutações que dificultem o controle da pandemia.

A Opas realiza uma vigilância genômica para rastrear variantes. Atualmente, 22 países participam dessa rede de inteligência.

Seis laboratórios regionais de referência colaboram no sequenciamento: a brasileira Fiocruz, o Instituto de Saúde Pública do Chile, o InDRE do México, o Instituto Gorgas do Panamá, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) e a Universidade das Índias Ocidentais em Trinidade e Tobago.

Os membros da Opas, escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), representam 35 países do continente americano e 16 territórios da região associados ou dependentes dos Estados Unidos, França, Holanda e Reino Unido.

ad/ll/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos