Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,03
    -0,12 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.736,30
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    63.092,20
    -280,30 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.371,65
    -4,13 (-0,30%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.667,13
    -233,70 (-0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.657,66
    +36,67 (+0,12%)
     
  • NASDAQ

    13.805,00
    +6,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7743
    +0,0014 (+0,02%)
     

Variantes da covid-19: mais contagiosas, mais resistentes, mais temíveis?

Paul RICARD
·4 minuto de leitura

O surgimento de variantes da covid-19 preocupa os cientistas e o público em geral sobre o risco de serem mais perigosas do que o vírus detectado pela primeira vez no final de 2019 na China.

- Quantas variantes?

No momento, três variantes são consideradas "preocupantes", segundo a OMS: as detectadas primeiro na Inglaterra, África do Sul e Japão (mas em viajantes do Brasil, daí o seu nome comum de "variante brasileira").

Paralelamente, existe uma segunda categoria de "variantes de interesse", cujas características genéticas potencialmente problemáticas tornam necessário monitorá-las. A OMS cita três, inicialmente registradas na Escócia, Estados Unidos e Brasil.

Mas circulam muitas outras, que a comunidade científica tenta localizar e avaliar para eventualmente incluir em uma das duas primeiras categorias.

Todas essas variantes são classificadas por famílias: de acordo com as mutações que adquiriram, ocupam um lugar preciso na árvore genealógica do vírus SARS-CoV-2 de origem.

- Quais são as consequências?

O surgimento de variantes é um processo natural, uma vez que um vírus sofre mutações com o tempo para garantir sua sobrevivência.

"Mais de 4.000 variantes do SARS-CoV-2 foram identificadas em todo o mundo", de acordo com os serviços de saúde britânicos. Embora "a maioria não tenha nenhum impacto em termos de saúde pública", sublinha a OMS.

A chave está nas mutações que adotam.

Por exemplo, as variantes inglesa, sul-africana e brasileira compartilham uma mutação chamada N501Y que pode torná-las mais contagiosas.

E as variantes sul-africana e brasileira têm outra mutação em comum, a E484K, que reduziria a imunidade adquirida por uma infecção passada - portanto, com maior possibilidade de reinfecção - ou por uma vacina.

Os nomes oficiais das variantes são muito técnicos e não há harmonização internacional: por exemplo, a variante inglesa é chamada 501Y.V1 ou VOC202012/01 e pertence à família B.1.1.7.

- Mais contagiosas?

Há um consenso científico de que as três variantes "preocupantes" são as mais contagiosas.

Mas isso se baseia apenas em dados epidemiológicos: os cientistas analisam a velocidade com que se espalham e deduzem até que ponto são mais contagiosas. Portanto, o resultado depende também de outros fatores, como as restrições que se aplicam nos territórios analisados.

Por exemplo, com base em vários estudos, a OMS julga que a variante inglesa é entre 36% e 75% mais contagiosa.

Mas por que certas variantes parecem ser mais contagiosas?

"Existem várias hipóteses: pode ser que a carga viral seja maior, que a variante penetre nas células mais facilmente ou se multiplique mais rapidamente", disse à AFP Olivier Schwartz, chefe da unidade de Vírus e Imunidade do Instituto Pasteur da França.

Pesquisadores da Universidade de Harvard levantaram outra hipótese para o caso da variante inglesa: a infecção poderia durar mais que a do coronavírus clássico e, portanto, prolongar o período de contagiosidade de um indivíduo.

- Mais perigosas? -

De acordo com um estudo publicado em 10 de março na revista médica BMJ, a variante inglesa é 64% mais letal: para cada 1.000 casos detectados, causa 4,1 mortes, em comparação com 2,5 para o coronavírus clássico.

Por outro lado, com base em vários estudos, a OMS estima que a variante sul-africana "aumenta o risco de morte no hospital em 20%".

- Qual é a eficácia das vacinas?

Vários estudos in vitro sugerem que a variante inglesa dificilmente altera a eficácia das vacinas, ao contrário da brasileira e da sul-africana, devido à mutação em comum E484K.

No entanto, o fato de a eficácia ser reduzida não significa que não sejam eficazes.

Além disso, estas pesquisas se concentram apenas na resposta do organismo após a vacinação, ou seja, na produção de anticorpos: "Não avaliam outros tipos de imunidade potencial, como a atividade dos linfócitos T e B", a chamada imunidade celular, destaca o especialista Anthony Fauci, que assessora o governo dos Estados Unidos, em artigo publicado na revista Jama.

Por sua vez, as fabricantes trabalham no desenvolvimento de novas versões de suas vacinas adaptadas às variantes.

A farmacêutica americana Moderna anunciou no dia 10 de março que havia começado a inocular os primeiros pacientes com vacinas de nova geração, como parte de um ensaio clínico para avaliar sua eficácia contra a variante sul-africana.

Esta adaptação é essencial, uma vez que "provavelmente continuarão surgindo variantes contra as quais as vacinas atuais poderiam ser menos eficazes", alerta o Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças.

pr/app/mis/mr