Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.282,28
    +2.032,55 (+1,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.338,34
    +510,21 (+1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,35
    +0,12 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.762,70
    -16,10 (-0,91%)
     
  • BTC-USD

    43.691,86
    +1.624,98 (+3,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.097,66
    +57,18 (+5,50%)
     
  • S&P500

    4.395,64
    +41,45 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.258,32
    +338,48 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.083,37
    +102,39 (+1,47%)
     
  • HANG SENG

    24.646,36
    +424,82 (+1,75%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.203,50
    +40,00 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2089
    +0,0001 (+0,00%)
     

Variantes da África poderiam agravar pandemia, dizem cientistas

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A proliferação de variantes do coronavírus na África, em parte atribuída às baixas taxas de vacinação no continente, pode levar a mutações resistentes às vacinas que complicariam os esforços de acabar com a pandemia, segundo um grupo de 112 organizações africanas e 25 internacionais.

Um estudo de genomas de 33 nações africanas e dois “territórios ultramarinos”, publicado na revista Science na quinta-feira, monitora a evolução da pandemia no continente e o surgimento das chamadas variantes de preocupação e variantes de interesse. Uma delas, a beta, se espalhou pelo mundo no início do ano e tornou algumas vacinas parcialmente ineficazes.

A “lenta distribuição de vacinas na maioria dos países africanos cria um ambiente no qual o vírus pode se replicar e evoluir”, disseram as organizações. “Isso quase certamente produzirá variantes de preocupação adicionais, qualquer uma das quais poderia inviabilizar a luta global contra a Covid-19.”

Enquanto mais da metade da população dos Estados Unidos e mais de 60% das pessoas na União Europeia completaram a imunização, apenas 3,2% dos 1,2 bilhão de pessoas da África receberam o regime completo. Essa estatística resultou em uma terceira onda de casos de Covid-19 em muitos países e no surgimento de uma variante na África do Sul conhecida como C.1.2.

O estudo mostrou que a Covid-19 chegou à maioria das nações africanas vinda da Europa e, por sua vez, o continente exportou as variantes geradas para os países europeus. Diferentes cepas do coronavírus se espalharam pelo continente, principalmente pela África do Sul, Nigéria e Quênia - três dos países africanos com mais conexões com o resto do mundo.

A variante beta, identificada na África do Sul em dezembro, se espalhou rapidamente para o norte até a República Democrática do Congo, provavelmente ao longo das rotas rodoviárias e ferroviárias que conectam os portos do país com o subcontinente, disse o estudo.

A pesquisa é o primeiro grande estudo dos principais cientistas da África em um esforço para aumentar a capacidade do continente de produzir e analisar dados genômicos. Duas variantes na África Ocidental e na África Oriental, conhecidas como B.1.525 e A.23.1, precisam ser controladas, segundo o estudo.

O estudo foi realizado em cooperação com a Organização Mundial da Saúde e com os Centros Africanos para Controle e Prevenção de Doenças.

“Se o vírus continuar evoluindo no continente africano, isso se tornará um problema global”, disse Túlio de Oliveira, professor de bioinformática que ajudou a coordenar o estudo e dirige instituições de sequenciamento de genes em duas universidades sul-africanas. “É nosso dever moral tentar proteger a África e o mundo.”

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos