Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.831,90
    -771,05 (-1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Variante de Manaus está presente em 90% das amostras da COVID-19 coletadas em SP

Fidel Forato
·2 minuto de leitura

Nesta quarta-feira (28), a Secretaria estadual da Saúde de São Paulo divulgou um estudo sobre as principais variantes do coronavírus SARS-CoV-2 em circulação no estado. De acordo com mas mais 1,4 mil amostras analisadas pelo Instituto Adolfo Lutz, a variante de Manaus (P.1) do vírus da COVID-19 já é predominante.

Dos 1.439 sequenciamentos genéticos de amostras do coronavírus realizados pelo Instituto, 90% delas tinham prevalência da variante P.1. Em comparação, o estudo também observou que a prevalência da cepa quadruplicou em apenas três meses no estado. Isso porque, em janeiro, a variante representava 20% dos sequenciamentos. Em fevereiro, 40%. Em março, 80%.

Variante de Manaus do coronavírus já prevale nas amostras coletadas no estado de São Paulo (Imagem: Reprodução/Photocreo/Envato Elements)
Variante de Manaus do coronavírus já prevale nas amostras coletadas no estado de São Paulo (Imagem: Reprodução/Photocreo/Envato Elements)

Até outubro do ano passado, o cenário epidemiológico era bastante diferente e a variante B.1.1.28 é que predominava em todo o estado. Na época, chegou a ultrapassar 90% do sequenciamento e, agora, não é mais considerada um risco.

Variante de Manaus predomina em SP

“O aumento dos casos, internações e óbitos que identificamos, especialmente, no primeiro trimestre deste ano pode estar relacionado à maior circulação desta variante de atenção”, explicou Regiane de Paula, coordenadora de Controle de Doenças, sobre a maior incidência da variante de Manaus no estado e os recordes de óbitos diários registrados em decorrência da COVID-19 no primeiro trimestre de 2021.

De acordo com o levantamento da Saúde, a variante P.1 está presente em todos os 17 departamentos de saúde do estado. No entanto, a cepa de Manaus não é a prevalente em apenas duas regiões, São José do Rio Preto e Presidente Prudente, onde a P.2 (que foi identificada primeiro no Rio de Janeiro) é mais identificada.

No total, o Adolfo Lutz observou 21 linhagens diferentes do novo coronavírus em circulação, incluindo as VOCs (variantes de preocupação). Entre elas, as três variantes de atenção são: a P.1, de Manaus, como já citado; a B.1.1.7, do Reino Unido; e a B.1.351, da África do Sul. No momento, a variante sul-africana tem uma baixa circulação no estado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: