Mercado fechará em 3 h 12 min
  • BOVESPA

    120.404,26
    +342,27 (+0,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.928,53
    +60,91 (+0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,51
    +0,16 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.781,10
    -12,00 (-0,67%)
     
  • BTC-USD

    54.887,76
    -1.063,73 (-1,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.286,82
    +43,77 (+3,52%)
     
  • S&P500

    4.177,52
    +4,10 (+0,10%)
     
  • DOW JONES

    34.106,79
    -30,52 (-0,09%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.934,00
    +14,75 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5946
    -0,1074 (-1,60%)
     

Variante inglesa da covid-19 é 64% mais mortal, afirma estudo

·1 minuto de leitura
Um profissional da saúde prepara amostras para estudar o genoma da variante inglesa do novo coronavírus, no Instituto Hospitalar Universitário de Doenças Infecciosas (IHU) em Marselha, em 11 de janeiro de 2021

A variante inglesa da covid-19 não é apenas mais contagiosa, é 64% mais mortal que o coronavírus clássico, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira (10), que confirma as primeiras estimativas de janeiro.

Entre 1.000 casos detectados, a variante inglesa provoca 4,1 mortes contra 2,5 para o coronavírus clássico, concluem os autores desses trabalhos publicados na revista médica BMJ.

"Existe uma alta probabilidade de que o risco de mortalidade aumente com uma infecção" com essa variante, escrevem os pesquisadores das universidades de Exeter e de Bristol.

Em janeiro, o NERVTAG - grupo que assessora o governo britânico - mencionou uma "possibilidade realista" de que esta variante tivesse uma mortalidade maior.

O grupo estimava que sua letalidade (risco de morte entre as pessoas infectadas) poderia ser entre 30% e 40% maior, com base em vários estudos, como o validado nesta quarta-feira ao ser publicado no BMJ.

Seus autores se basearam nos dados de 110.000 pessoas que deram positivo fora do hospital entre outubro e janeiro.

Metade foi infectada pelo coronavírus clássico e a outra pela variante inglesa (chamada VOC 202012/01 ou B.1.1.7).

O estudo concluiu que a segunda poderia ser 64% mais mortal.

Esses dados "reforçam a importância de que as pessoas se vacinem", estimou Simon Clarke, da Universidade de Reading, citado pelo organismo britânico Science Media Centre e que não participou do estudo.

pr/app/mb/aa