Mercado abrirá em 7 h 27 min
  • BOVESPA

    107.937,11
    -1.004,57 (-0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.890,59
    -708,79 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,64
    +0,33 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.842,50
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    36.087,52
    +109,62 (+0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    821,53
    +10,93 (+1,35%)
     
  • S&P500

    4.410,13
    +12,19 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.364,50
    +99,13 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.297,15
    -196,98 (-2,63%)
     
  • HANG SENG

    24.656,46
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.113,13
    -475,24 (-1,72%)
     
  • NASDAQ

    14.318,50
    -182,50 (-1,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2127
    -0,0160 (-0,26%)
     

Variante Gama desaparece no Brasil, abrindo espaço para Delta e Ômicron

·1 min de leitura

Durante boa parte da pandemia, a variante Gama (P.1) foi a dominante no Brasil. No entanto, na última atualização do banco de dados da Rede Genômica, coordenada pela Fiocruz, ficou perceptível que a cepa deixou o país, abrindo espaço para Delta e Ômicron.

A Gama foi descoberta pela primeira vez em Manaus, no Amazonas. Em janeiro do ano passado, a capital amazonense passou por um colapso no sistema de saúde, com direito a hospitais superlotados e escassez no estoque de oxigênio. No primeiro semestre de 2021, a variante foi responsável pela morte de 280 mil pessoas.

Mas, na verdade, já faz um tempo que a Gama não é encontrada no Amazonas, segundo a Rede Genômica: desde novembro do ano passado. Por sua vez, a variante deixou o país no início de dezembro, com as três últimas amostras tendo sido coletadas em São Paulo.

Variante Gama deixa Brasil, abrindo espaço para Delta e Ômicron (Imagem: Reprodução/Rede Genômica/Fiocruz)
Variante Gama deixa Brasil, abrindo espaço para Delta e Ômicron (Imagem: Reprodução/Rede Genômica/Fiocruz)

De acordo com a Fiocruz, antes da Gama, outras cepas se sobressaíam na pandemia: em março de 2020, a linhagem B.1.1.28 tomava conta das infecções. Surgiu então a B.1.1.33, e as duas dividiram a liderança até que a P.2 viesse à tona, em agosto de 2020. A situação mudou apenas com a chegada da variante Gama.

Em julho, a Gama abriu espaço para a variante Delta, que atualmente ainda segue como a dominante, apesar da ascensão da Ômicron.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos