Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.742,33
    +1.239,18 (+3,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Variante delta poderia provocar onda ‘catastrófica’ no Quênia

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A variante delta do coronavírus, altamente contagiosa, pode provocar uma quarta onda de casos de Covid-19 no Quênia nos próximos dois meses, de acordo com o Ministério da Saúde do país.

A cepa, identificada pela primeira vez na Índia, domina os casos no oeste do Quênia, onde foi inicialmente detectada no país. O governo restringiu a mobilidade na região para tentar impedir a propagação da variante pelo país.

“Se houver uma quarta onda em julho-agosto, provavelmente será devido à delta”, disse Patrick Amoth, diretor-geral interino de Saúde do ministério. Restrições no oeste do Quênia foram impostas para tentar “evitar uma quarta onda catastrófica”, disse Amoth por telefone.

Uma nova onda no Quênia seguiria o aumento de casos em vários países africanos, como África do Sul, Uganda e Namíbia. Na África do Sul, onde a variante delta é dominante no centro comercial de Gauteng, o presidente Cyril Ramaphosa anunciou mais restrições. Uganda fechou o parlamento por duas semanas e disse que o exército ajudará a aumentar a produção de oxigênio devido ao aumento da demanda.

Os ciclos de infecção podem durar mais na África, pois a vacinação no continente está atrasada em relação ao resto do mundo devido à falta de doses, desafios logísticos e hesitação. Apenas 0,8% da população da Namíbia está totalmente vacinada, e o país tem a taxa de infecção mais alta da África na última semana.

O Quênia registrava 183.603 casos confirmados de Covid-19 e 3.621 mortes até 29 de junho, de acordo com o Ministério da Saúde. Cerca de 1,3 milhão de pessoas foram imunizadas até o momento, das quais 328.848 receberam a segundas dose.

A variante alfa, identificada pela primeira vez no Reino Unido, dominou a terceira onda do Quênia, que atingiu o pico em março-abril. As cepas beta, detectada pela primeira vez na África do Sul, e alfa respondem atualmente por cerca de 70% dos casos em Nairóbi, capital do Quênia, de acordo com Amoth.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos