Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.748,10
    -1,70 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    42.566,48
    -2.046,22 (-4,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.060,57
    -42,49 (-3,85%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.317,75
    +14,25 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2565
    +0,0315 (+0,51%)
     

Variante Delta já predomina na cidade de São Paulo

·2 minuto de leitura

Na cidade de São Paulo, a variante Delta (B.1.671.2) do coronavírus SARS-CoV-2 — descoberta pela primeira vez na Índia — já é predominante. De acordo com levantamento do Instituto Butantan, a variante do vírus da COVID-19 representa cerca de 69,7% das amostras sequenciadas na capital entre os dias 15 e 21 de agosto (33ª semana epidemiológica).

Com o avanço da variante Delta, a Gama (P.1) — identificada pela primeira vez em Manaus, no Amazonas — começa a perder espaço. Segundo o último levantamento genômico divulgado, a Gama representa apenas 28,4% das novas infecções. Até então, era a cepa predominante do vírus da COVID-19 na capital, mas também no Brasil inteiro.

Variante Delta já é predominante na cidade de São Paulo e superou a Gama (Imagem: Reprdoução/Wirestock/Freepik)
Variante Delta já é predominante na cidade de São Paulo e superou a Gama (Imagem: Reprdoução/Wirestock/Freepik)

Para dimensionar o avanço da Delta, durante a 32ª semana epidemiológica (entre os dias 8 até 14 de agosto), a Gama ainda representava 53,58% das novas infecções. Nesse período, a Delta correspondia a 43,5% das amostras do vírus da COVID-19 sequenciadas.

Impacto da variante Delta na saúde de São Paulo

Feito pelo Butantan em parceria com a prefeitura, o último levantamento epidemiológico identificou 395 novos casos da variante Delta, incluindo suas sublinhagens, como a AY.4. Dessa forma, a capital soma pelo menos 800 casos da variante desde que foi identificada pela primeira vez, em julho. Além disso, já há circulação comunitária da variante.

Mesmo com o aumento de casos da variante Delta, as autoridades públicas de saúde afirmam que não foi possível observar um aumento no número de notificações da COVID-19. Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde informou que “o número de casos não apresentou curva de crescimento significativa e, por isso, não oferece risco de impacto sobre a rede de saúde pública da capital”.

“Diante do novo cenário de predominância da Delta na capital e com a população adulta elegível vacinada, o município realizará testagem de comunicantes de casos positivos de COVID-19 detectados nas UBSs para análise do perfil de transmissão do vírus”, completaram. Agora, a expectativa é que os números de novos casos e de internações continuem baixos, o que não ocorreu na cidade do Rio de Janeiro com a predominância da variante.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos