Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.417,96
    -997,75 (-2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Variante Delta e demora na vacinação pode resultar em COVID em massa, de novo

·2 minuto de leitura

Apenas se imunizar contra o coronavírus não é o suficiente para combater a pandemia, de acordo com um novo estudo realizado em San Diego, nos Estados Unidos, considerando o tempo de vacinação e a chegada da variante Delta, ainda mais transmissível.

Pesquisadores e especialistas em saúde pública descobriram que a eficácia da vacina é reduzida com o tempo, o que não é uma novidade. Sendo assim, a imunidade garantida pelas duas doses não é suficiente para mudar o cenário atual, e é preciso continuar com o uso de máscaras e evitar aglomerações.

O estudo foi feito entre os meses de março a junho deste ano com base nos próprios funcionários da UC San Diego Health, e os pesquisadores observaram que a eficácia da vacina contra uma infecção sintomática da COVID-19 caiu de 90% para cerca de 65% já em julho. No país, a vacinação começou em dezembro do ano passado.

<em>Imagem: Reprodução/MirkoVitali/Envato Elements</em>
Imagem: Reprodução/MirkoVitali/Envato Elements

"Dados de ensaios clínicos sugeriram que a redução da eficácia aconteceria vários meses depois da vacinação completa", diz Francesca Torriani, professora e co-autora sênior do estudo. "Mas nossos estudos mostram que, confrontada pela variante Delta, a eficácia da vacina contra a doença levemente sintomática é consideravelmente menor e foi reduzida entre seis a oito meses após completar a vacinação", pontua a cientista.

Os pesquisadores atribuem o aumento no número de infecções para a redução da eficácia da vacina com o tempo, a chegada da variante Delta e a anulação das regras que exigiam o uso de máscaras no país. "Nossos resultados destacam a importância de intervenções não farmacêuticas, como o uso de máscaras em lugares fechados e estratégias de testagens intensivas", diz o estudo.

A pesquisa também ressalta a importância de continuar os esforços para vacinar toda a população, além de considerar uma terceira dose de reforço o quanto antes, uma vez que a imunidade é prejudicada com o tempo. O estudo foi publicado na revista científica The New England Journal of Medicine.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos