Mercado abrirá em 8 h 15 min
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,41
    -0,72 (-1,36%)
     
  • OURO

    1.861,60
    -4,30 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    30.700,33
    +886,29 (+2,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    607,04
    -72,86 (-10,72%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.571,35
    -356,41 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    28.646,99
    -109,87 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.349,25
    -46,25 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5129
    +0,0045 (+0,07%)
     

Variante do coronavírus na África do Sul traz preocupações sobre a vacina

Natalie Rosa
·1 minuto de leitura

No fim de 2020, duas variantes do coronavírus foram encontradas, uma no Reino Unido e outra na África do Sul, trazendo ainda mais aflição para a população e para quem está trabalhando no desenvolvimento da vacina contra a COVID-19. E, de acordo com o secretário de Saúde britânico Matt Hancock, em depoimento feito na última segunda-feira (4), a versão sul-africana do vírus é a mais preocupante.

"Estou incrivelmente preocupado com a variante da África do Sul. Essa é o motivo pelo qual agimos e restringimos todos os voos com origem no país. É um problema muito, muito significativo, e é mais preocupante do que a nova variante do Reino Unido", contou Hancock à Rádio BBC.

<em>Imagem: Reprodução/Fernando Zhiminaicela/Pixabay</em>
Imagem: Reprodução/Fernando Zhiminaicela/Pixabay

Ainda não há informações que comprovem que as cepas encontradas no Reino Unido e na África do Sul causem uma forma mais grave da doença, ou que as vacinas não sejam eficazes para a contaminação por elas, mas, em relação à vacina sul-africana, autoridades britânicas acreditam que a história pode ser diferente. Segundo cientistas, a variante encontrada na África do Sul possui múltiplas mutações importantes na proteína espinhosa, responsável por se agarrar nas células humanas e infectar o indivíduo. Porém, o estudo ainda está em andamento.

Além disso, ambas as variantes podem contar com uma carga viral ainda maior, o que implicaria em uma quantidade maior de partículas infecciosas sendo expelidas pelo organismo e, consequentemente, em mais contaminações. Mas a maior preocupação das autoridades, no entanto, é que as vacinas não funcionem nesta nova variante encontrada no país africano, e por isso as doses vêm sendo testadas na cepa para possíveis ajustes que, se forem necessários, serão aplicados em até seis semanas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: