Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,72
    +0,44 (+0,67%)
     
  • OURO

    1.815,90
    -20,20 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    54.478,16
    -2.280,20 (-4,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.471,45
    -92,38 (-5,91%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    7.004,63
    +56,64 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    28.231,04
    +217,23 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    28.147,51
    -461,08 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    12.965,25
    -380,75 (-2,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4046
    +0,0592 (+0,93%)
     

Vargas Llosa manifesta apoio a Keiko Fujimori no segundo turno no Peru

·1 minuto de leitura
(Arquivo) O escritor peruano e ganhador do Prêmio Nobel de Literatura, Mario Vargas Llosa, fala durante a apresentação de seu livro 'Tiempos recios' na Cidade da Guatemala, em 3 de dezembro de 2019

O prêmio Nobel de Literatura peruano Mario Vargas Llosa expressou neste sábado (17) seu apoio à candidata presidencial de direita Keiko Fujimori na votação de junho, apontando-a como "o mal menor" contra Pedro Castillo, de esquerda.

O escritor de 85 anos se pronunciou em uma coluna do jornal mexicano Crónica, após se ausentar durante a campanha, e pediu voto para Fujimori.

Em um texto intitulado "Olhando para o abismo", ele descreve como "contraditórias" as propostas de Castillo, "da extrema esquerda no campo econômico e da extrema direita no social".

O premiado escritor acredita que Castillo, um professor de 51 anos, faria o Peru retroceder. "Se ele chegar ao poder, não haverá mais eleições limpas no Peru e no futuro serão uma paródia como as que Nicolás Maduro organiza de vez em quando na Venezuela para justificar seu regime impopular", afirmou.

Fujimori, líder do partido Fuerza Popular, contou que, ao se comunicar com Vargas Llosa, garantiu a ele seu "compromisso em respeitar a democracia, a liberdade de expressão e a independência dos poderes caso seja eleita presidente".

A última vez que o autor de "A cidade e os cachorros", que mora em Madri, fez campanha foi em 2016, quando apoiou Pedro Pablo Kuczynski, um ex-banqueiro de Wall Street que teve um governo opaco e renunciou em março de 2018 após ser afetado pelo escândalo de corrupção da construtora brasileira Odebrecht.

Com 96,6% das urnas apuradas, o professor de escola rural e a filha do ex-presidente preso Alberto Fujimori (1990-2000) obtiveram 19,09% e 13,36% dos votos, respectivamente, em um primeiro turno que teve 18 candidatos.

O vencedor do segundo turno tomará posse em 28 de julho.

cm/dg/ic