Mercado abrirá em 8 h 12 min
  • BOVESPA

    120.636,39
    -605,24 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.495,41
    -962,61 (-2,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,36
    +0,38 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.847,90
    +7,70 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    35.335,72
    -899,52 (-2,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    700,93
    -14,27 (-2,00%)
     
  • S&P500

    3.798,91
    +30,66 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    30.930,52
    +116,26 (+0,38%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.702,15
    +59,87 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    28.504,38
    -129,08 (-0,45%)
     
  • NASDAQ

    13.033,25
    +47,75 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5065
    +0,0079 (+0,12%)
     

Varejo pede a Doria veto à proibição de venda de produtos não estocados

PAULA SOPRANA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Entidades do varejo pediram ao governador de São Paulo João Doria (PSDB) o veto total a um projeto de lei que impede empresas de vender itens que não estejam em seus estoques. A norma, que busca proteger o consumidor de atrasos em entregas, foi aprovada na Assembleia Legislativa em dezembro. O pedido é endossado por associações como a FecomercioSP (federação estadual) e a ABComm (comércio eletrônico). Segundo as entidades, o ecommerce deverá ser o mais afetado, por adotar modelos de negócios em que o produto não é armazenado pela empresa responsável pela loja virtual. Segundo a Abcomm, é frequente no comércio eletrônico a terceirização do gerenciamento de estoques para fornecedores parceiros. A nova lei inviabilizaria o modelo. Ana Paula Locoselli, assessora jurídica da FecomercioSP, afirma que o projeto deixará consumidores e empresários de São Paulo em desvantagem em relação aos de outros estados, em vez de proteger os clientes. A Câmara-e.net (Câmara Brasileira da Economia Digital) diz que clientes passarão a ter seu direito de escolha prejudicado caso o texto seja sancionado. O governo paulista afirma que ainda não recebeu o projeto da Assembleia Legislativa, onde ainda serão discutidas emendas ao texto. Após a chegada dele, Doria terá 15 dias para tomar uma decisão.