Mercado fechará em 4 hs
  • BOVESPA

    123.654,84
    -2.020,48 (-1,61%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.987,61
    -646,99 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,73
    +0,11 (+0,15%)
     
  • OURO

    1.826,00
    -9,80 (-0,53%)
     
  • BTC-USD

    39.087,86
    -903,25 (-2,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    928,29
    -21,62 (-2,28%)
     
  • S&P500

    4.395,36
    -23,79 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.963,99
    -120,54 (-0,34%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.914,25
    -123,50 (-0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0987
    +0,0582 (+0,96%)
     

Varejo de calçados perde R$ 13,6 bi em vendas no semestre, diz associação

·1 minuto de leitura

Resultado equivale a uma queda de 53%; para a segunda metade do ano, projeção é de retração ainda maior, de 60% O varejo de calçados encerra o primeiro semestre de 2020 com queda de 53% nas vendas, o que correspondeu a uma perda de receita de R$ 13,6 bilhões. Desde de que a pandemia de covid-19 passou a afetar o varejo brasileiro, no fim de março, o setor registrou perda de vendas de R$ 13,2 bilhões. Os dados são de um levantamento da Associação Brasileira de Lojistas de Artefatos de Calçados (Ablac). De acordo com a pesquisa da entidade, no dia 29 de junho, 72% das lojas especializadas em venda de calçados estavam abertas, 20% estavam fechadas e 8% estavam parcialmente abertas. “O setor sofre a pior crise da sua história e projeção de dificuldades ainda maiores nos próximos meses”, afirmou em nota o presidente da Ablac, Marcone Tavares. A Ablac projeta para o segundo semestre queda de 60% nas vendas. Para o ano, a expectativa é que o varejo calçadista movimente R$ 28,5 bilhões, ante R$ 58,9 bilhões no ano passado, o que representa uma queda de 51,5%. Na avaliação da Ablac, os consumidores devem manter uma postura conservadora no segundo semestre, prorrogando as compras de moda em geral. A associação também considera que 20% das lojas de calçados não conseguirão mais reabrir as portas. Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos