Mercado abrirá em 2 h 6 min

Varejo cai 0,1% em dezembro e contraria estimativas de crescimento de vendas de Natal

DIEGO GARCIA
***ARQUIVO**SÃO PAULO, SP, 13.10.2017: Movimentação de consumidores na rua Oriente, no Brás, em São Paulo. (Foto: Reinaldo Canato/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O varejo interrompeu sete meses seguidos positivos e registrou queda de 0,1% em dezembro em relação a novembro, informou nesta quarta-feira (12) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No ano, o comércio cresceu 1,8%.

A queda no mês das vendas de Natal veio na contramão da expectativa do mercado, que projetava alta de 0,2% nas vendas do período, segundo economistas consultados pela Bloomberg. Para o ano, eles estimavam alta de 3,3%.

O resultado também encerra uma divergência sobre o resultado das vendas de Natal do ano passado.

A Alshop (Associação dos Lojistas de Shopping) chegou a dizer que as vendas em dezembro tinham registrado alta de 9,5%, o que seria o melhor resultado desde 2014. Número contestado e um mês depois corrigido para uma alta de 7,5%, que ainda contrasta com o desempenho medido pelo IBGE.

O número foi duramente rechaçado pela Ablos (Associação Brasileira dos Lojistas Satélites) e chegou a ser chamado de mentiroso por Tito Bessa Jr, presidente do grupo e fundador da rede TNG.

Em uma primeira resposta, a Alshop negou que os números sobre as vendas de Natal estivessem errados e informou que crescimento nominal de 9,5% estava alinhada com entidades do setor, como a Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers). Disse que o dado passaria por revisão e que explicaria a metodologia, o que não ocorreu.

Quando a Abrasce divulgou seus dados, apontou crescimento nominal de 3,1%, sem o desconto da inflação. A entidade também teve dificuldades de justificar o dado corrigido pela inflação.

Apesar da diferença percentual entre as associações, a base de comparação não é a mesma. A Alshop considera o período de 1º a 20 de dezembro. Já a Abrasce contabiliza de 19 a 24 de dezembro. Os valores divulgados pelas entidades são nominais, o que quer dizer que não é descontado o percentual da inflação.

No início de fevereiro, sem explicar a metodologia, a Alshop revisou o valor para 7,5%. A associação afirmou que o período analisado foi entre os dias 1º e 31 de dezembro. Sob esse mesmo período, o IBGE apontou alta de 2,6% e inflação de 4,31%. A Alshop foi procurada para comentar a discrepância, mas até o fechamento deste texto não respondeu.

Em novembro, impulsionadas pela Black Friday, as vendas no varejo brasileiro tinham subido 0,6% na comparação com o mês de outubro. O penúltimo mês de 2019 registrou o patamar mais elevado desde dezembro de 2016.

Segundo a gerente da pesquisa do IBGE, Isabella Nunes, as vendas da Black Friday continuaram em dezembro e, nos segmentos que crescem na data promocional, as vendas também avançaram no último mês do ano.

"A Black Friday não ficou apenas em novembro, começou em 29 de novembro e acabou por contaminar um pouco dezembro positivamente", diz Isabella Nunes.

Os setores mais beneficiados pelas promoções foram móveis e eletrodomésticos (3,4%) e livros, jornais, revistas e papelaria (11,6%). "São atividades que representam o tipo de promoção da Black Friday", disse.

Mesmo a Black Friday interferindo positivamente nas vendas do último mês do ano, segmentos importantes do varejo não foram beneficiados com a data comemorativa e recuaram.

A queda registrada em dezembro ante novembro, segundo Nunes, do IBGE, é creditada à retração nas vendas nos supermercados, impactadas principalmente pelo aumento do preço das carnes. Excluído esse fator, o varejo teria registrado crescimento, afirma.

"Considero o de dezembro muito igual ao de novembro. Esses dois meses foram momentos nos quais o varejo chegou mais próximo do período antes da crise", diz.

"Se considerarmos só a receita nominal sem a influência dos preços o resultado teria sido bem melhor, mas não foi o que aconteceu. A inflação atingiu essa atividade e acabou por levar o tom para o campo negativo, -0,1% é uma estabilidade com variação negativa", diz a analista.

O coordenador da Sondagem do Comércio do FGV-Ibre, Rodolpho Tobler, apontou que esse número em dezembro era esperado.

"A expectativa era de que fosse próximo de zero. É um resultado positivo se considerar o ano como um todo, mostra que o crescimento tem sido gradual, mas pelas expectativas frustrou um pouquinho", afirma Rodolpho Tobler.

Outro fator relevante é a situação do mercado de trabalho. Para Carlos Thadeu de Freitas Gomes Filho, economista-chefe da Ativa Investimentos, o cenário contribuiu para o desempenho do varejo em dezembro. Na sua avaliação, o país precisa voltar a criar empregos formais para o setor avançar.

"Um pedaço desse desempenho pode ser creditado à inflação, reduzindo o poder de compra da população, e outro pedaço pode ser a falta de geração de emprego formal, que ainda está aquém do que é esperado", diz Thadeu.

Com a alta de 2019, o varejo emenda o terceiro ano consecutivo de crescimento. Mas ano passado houve uma desaceleração para 1,8%. Em 2017, o segmento havia crescido 2,1%. Em 2018, 2,3%.

Gomes Filho diz acreditar que a perda de ritmo pode trazer reflexos no PIB (Produto Interno Bruto) do ano.

"Essa desacelerada diminui o carrego estatístico para o PIB do ano. O consumo segurou o PIB em 2019, mas parece que não consegue crescer muito acima disso. É difícil ter crescimento muito maior do que o que temos visto. Não vai conseguir acelerar, pois não temos novos estímulos", afirma Thadeu.

O professor Samuel Durso, economista e professor na faculdade Fipecafi, por sua vez, defendeu que, com os números divulgados, o PIB do ano deve próximo a 1%, em torno de 0,9% até 1,15%.

"Essa pequena desaceleração para dezembro não vai impactar tanto na projeção que já vinha sendo relativamente baixa, mas já sinaliza que não vai estar mais tão positivo do que já era esperado. Vai ficar estável na comparação com o que a gente tinha apresentado", diz o professor.

A liberação do FGTS a partir de setembro pode ter contribuído para o desempenho do varejo no segundo semestre, segundo o IBGE.

“A presença de recurso livre adicional devido à liberação dos saques nas contas do FGTS a partir do mês de setembro e a melhoria na concessão de crédito à pessoa física são alguns fatores que podem ter influenciado esse resultado no segundo semestre", disse Isabella Nunes, gerente da pesquisa.

Já o mau resultado de dezembro pode ser creditado ao aumento nos preços das carnes, segundo Nunes, já que o que mais pesou no índice geral foi o recuo de 1,2% em hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo. "Essa atividade tem peso de 44% no total do varejo", explicou a gerente da pesquisa.

No total, outras cinco das atividades restantes pesquisadas pelo IBGE no comércio varejista tiveram taxas negativas na passagem de novembro para dezembro.

O professor de economia do Ibmec, Ricardo Macedo, explicou que a queda em diversos setores pode ser explicada por fatores como a Black Friday de novembro e a alta da informalidade no mercado de trabalho, que traz renda variada e faz as pessoas anteciparem despesas de fim de ano para fazerem frente a gastos sazonais de janeiro.

"É uma medida defensiva. As pessoas têm comportamento mais cauteloso em relação ao comércio, muita gente toma cuidado para não se endividar. Muita gente preferiu quitar dívida e também não se endividar, coisa que normalmente as pessoas fazem no começo do ano", diz Ricardo Macedo.

"A partir do momento que tem uma queda no desemprego, mas que não são empregos com carteira, são precarizados, então a renda não é muito alta, aí as pessoas fazem aquilo que é compatível ao seu orçamento", acrescenta o professor.

O coordenador do FGV-Ibre, Rodolpho Tobler, espera que 2020 continue com crescimento no varejo e na economia, mas também citou a informalidade como obstáculo. "A nossa expectativa é de continuidade na recuperação que vem acontecendo desde 2017. Nesse ano, deve seguir em ritmo gradual. Vemos alguns sinais positivos, como a inflação controlada, mas ainda existe entrave no mercado de trabalho, que vem em recuperação tímida e motivada pela informalidade".

Já a corretora Modalmais escreveu que os dados divulgados pelo IBGE deram fim ao momento positivo que se construía até outubro e questionou o momento econômico do Brasil. "Os fundamentos continuam favoráveis à continuidade da recuperação da atividade econômica, mas esses dados mais recentes colocam dúvida quanto ao ritmo dessa recuperação no curto e médio prazo", aponta.