Mercado abrirá em 5 h 49 min

Varejo avança 0,6% em novembro frente a outubro, diz IBGE

Jader Lazarini
Varejo avança 0,6% em novembro frente a outubro, diz IBGE

Em novembro do ano passado, o volume de vendas do comércio do Varejo nacional cresceu 0,6% ante ao mês anterior. Essa é a sétima taxa positiva seguida, intervalo em que o varejo acumulou ganho de 3,3%. As informações foram divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O índice de média móvel trimestral do Varejo, depois de uma alta de 0,4% no trimestre encerrado em outubro, cresceu 0,5% no trimestre encerrado no mês posterior.

O volume de vendas do comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de Veículos, motos, partes e peças e de Material de construção, registrou um recuo de 0,5% em relação a outubro do ano passado, quebrando a sequência de oito meses de crescimento consecutivo, período em que o varejo ampliado cresceu 5,1%.

Quatro das oito atividades do Varejo cresceram

Com o ajuste sazonal, quatro das oito atividades da pesquisa apresentaram uma elevação em seu volume. São elas:

  • Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (4,1%)
  • Artigos de uso pessoal e doméstico (1,0%)
  • Móveis e eletrodomésticos (0,5%)
  • Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (2,8%)

Enquanto isso, os destaques negativos ficaram por conta de Tecidos, vestuário e calçados (-0,2%), Combustíveis e lubrificantes (-0,3%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (-4,7%). Todas as categorias reverteram as altas apresentadas em outubro.

O setor de maior peso no varejo, Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,0%), manteve-se estável na transição dos meses em questão.

Em novembro do ano passado, ante a igual mês do ano anterior, o comércio varejista apresentou uma alta de 2,9%, com destaque para as taxas positivas atingindo sete das oito atividades pesquisadas. Entre os setores que apresentam avanço nas vendas, destacaram-se:

Veja também: Privatização: Governo pretende obter R$ 150 bi com projeto

  • Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (2,4%)
  • Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (9,5%)
  • Móveis e eletrodomésticos (4,8%)
  • Outros artigos de uso pessoal e doméstico (1,4%)
  • Combustíveis e lubrificantes (0,7%)
  • Tecidos, vestuário e calçados (1,5%)
  • Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (8,0%)

Ainda segundo o IBGE, queda nas vendas do Varejo em relação a novembro de 2018, encontra-se apenas a atividade de Livros, jornais, revistas e papelaria (-14,7%).