Mercado fechará em 1 h 40 min
  • BOVESPA

    100.765,84
    +2.093,59 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.254,99
    +513,49 (+1,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,87
    +2,25 (+2,09%)
     
  • OURO

    1.825,20
    -5,10 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    20.770,76
    -418,31 (-1,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    452,44
    -9,36 (-2,03%)
     
  • S&P500

    3.906,14
    -5,60 (-0,14%)
     
  • DOW JONES

    31.477,78
    -22,90 (-0,07%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.039,75
    -100,75 (-0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5354
    -0,0170 (-0,31%)
     

Varíola dos macacos | OMS planeja mudar nome da doença para evitar discriminação

A Organização Mundial da Saúde (OMS), em conjunto com especialistas, está estudando um novo nome a ser adotado para se referir à varíola dos macacos, infecção viral que causa problemas na pele e já acometeu mais de 30 países, atingindo mais de 1.600 casos fora de regiões endêmicas. O Brasil é um dos países afetados, com alguns casos suspeitos e outros já confirmados.

Na semana passada, mais de 30 cientistas escreveram sobre a necessidade de um nome diferente para a condição e o vírus que a causa, de forma a evitar discriminações e estigmatizações, o que inspirou a iniciativa da OMS. Além ser perigoso aos animais — afinal, há quem massacre macacos pela associação da doença a eles —, há problemas quanto às referências da origem do vírus.

"Varíola dos macacos" é um termo problemático, segundo cientistas, e referências à condição também estigmatizam os países de origem (Imagem: CDC)
"Varíola dos macacos" é um termo problemático, segundo cientistas, e referências à condição também estigmatizam os países de origem (Imagem: CDC)

Estigmas, referências e nomes

Os pesquisadores, em conjunto, propõem o nome hMPXV para substituir "varíola dos macacos". Além da terminologia utilizada para a doença, também foram apontados problemas quanto a algumas referências ao continente africano e seus países, consideradas incorretas e discriminatórias.

Nos países onde a varíola dos macacos é considerada endêmica, já morreram 72 pessoas — nestes locais, a condição está presente de forma permanente, com números de doentes se mantendo constantes ao longo dos anos. A doença atinge países com florestas tropicais dessa forma na África Central e Ocidental.

Na República Democrática do Congo, país densamente arborizado, mais de 1.200 casos foram relatados este ano, com 57 mortes registradas até maio, de acordo com a OMS. Nos 32 países não endêmicos afetados recentemente, no entanto, nenhuma morte foi registrada até o momento, mesmo com a alta de casos: no Reino Unido, 470 foram confirmados. No Brasil, até o momento, apenas 4.

Vale lembrar que a transmissão ocorre mediante contato com pessoas infectadas, podendo entrar via lesões na pele, por via respiratória ou pelos olhos, principalmente por gotículas grandes de fluidos corporais. Um estudo recente encontrou o vírus no sêmen de pacientes, mas ainda não é definido que a transmissão sexual tenha grandes riscos de ocorrer. Após a infecção, os sintomas surgem de 5 a 21 dias, geralmente leves, sumindo em até 3 semanas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos