Mercado abrirá em 2 h 58 min
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,57
    -3,52 (-3,82%)
     
  • OURO

    1.795,70
    -19,80 (-1,09%)
     
  • BTC-USD

    24.161,03
    -580,45 (-2,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    573,33
    +2,05 (+0,36%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.499,28
    -1,61 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    20.040,86
    -134,76 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    28.871,78
    +324,80 (+1,14%)
     
  • NASDAQ

    13.519,50
    -58,25 (-0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1906
    -0,0129 (-0,25%)
     

Varíola dos macacos: Europa e Ásia relatam primeiras mortes pela doença

Após o Brasil confirmar a primeira morte relacionada à varíola dos macacos (monkeypox), outros casos fatais da doença foram confirmados na Europa e na Ásia. No total, quatro óbitos são contabilizados fora do continente africano — onde alguns países lidam com a doença de forma endêmica e mortes já foram registradas.

Até o momento, a Espanha confirmou duas mortes relacionadas com a varíola dos macacos e, nesta segunda-feira (1), a Índia anunciou o primeiro óbito provocado pela condição no país. Em retrospectiva, o Brasil notificou, na última sexta-feira (29), a primeira morte da doença fora da África, desde o início do atual surto.

Ásia e Europa também confirmam mortes em decorrência da varíola dos macacos (Imagem: Furmanphoto/Envato)
Ásia e Europa também confirmam mortes em decorrência da varíola dos macacos (Imagem: Furmanphoto/Envato)

O caso brasileiro é de um homem, com 41 anos, que estava internado em um hospital de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Além da varíola dos macacos, o paciente tratava um câncer (linfoma). Nestas circunstâncias, "a causa do óbito foi o choque séptico", segundo as autoridades locais.

Neste ponto, é necessário explicar que casos da doença podem ter uma evolução mais grave em pacientes com alguma comorbidade — como câncer, HIV ou transplante de órgãos. Além disso, o risco é maior para idosos e crianças.

Varíola dos macacos na Europa

Na Europa, dois óbitos da varíola dos macacos foram confirmados na Espanha. No sábado (30), o país da Península Ibérica contabilizava mais de 4,2 mil casos da infecção, sendo que 120 dos pacientes (3,2%) precisaram de hospitalização.

Segundo a imprensa local, os óbitos da varíola dos macacos na Espanha estavam relacionados com a encefalite, ou seja, uma inflamação no cérebro. O quadro é considerado uma complicação rara da infecção, segundo especialistas. Até o momento, não foram detalhadas informações sobre os perfis das vítimas.

Primeira morte na Índia

No caso da Índia, o paciente que morreu em decorrência da varíola dos macacos era um homem, de 22 anos, que viajou recententemente para os Emirados Árabes Unidos. O paciente morava no estado de Kerala, no sul do país.

Segundo as autoridades locais, o paciente teria testado positivo para o vírus no exterior, mas não buscou por atendimento médico, de forma imediata, quando retornou ao país. No entanto, o quadro piorou e ele precisou ser internado. Antes do óbito, ele recebia oxigênio através de um suporte ventilatório.

Apesar do caso fatal, a Índia identificou oficialmente apenas quatro casos da varíola dos macacos, sendo três no estado de Kerala e um na capital, Délhi.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos