Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.448,22
    +83,85 (+0,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Valorização do real terá efeito na inflação nos próximos meses, diz diretor do BC

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 04.05.2022 - Prédio do Banco Central em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 04.05.2022 - Prédio do Banco Central em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, afirmou nesta segunda-feira (30) que o real se tornou um destaque positivo entre as moedas de economias emergentes desde a virada do ano e que espera ver o reflexo da valorização cambial sobre a inflação nos próximos meses.

"Daqui uns três ou quatro meses, assim espero, a gente vai olhar para o Brasil revertendo o choque do câmbio, o câmbio passando a performar mais. Essa valorização é recente e vai começar a bater [na inflação] nos próximos meses", afirmou Serra, em evento promovido pela Kinea Investimentos, gestora de recursos controlada pelo Itaú Unibanco.

Segundo ele, as pressões decorrentes da guerra entre Rússia e Ucrânia encobriram os impactos positivos da apreciação do real. "O choque da invasão da Ucrânia bagunçou um pouco, foi muito agudo e mascarou esse efeito benigno do câmbio", disse.

No acumulado em 12 meses até abril, o IPCA ficou em 12,13%, maior nível desde outubro de 2003 (13,98%). Na última terça-feira (24), o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15) atingiu 12,20%, com elevação de 0,59% em maio, ante alta de 1,73% no mês anterior, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O diretor do BC apontou também que, apesar de a defasagem da política monetária suavizar a volatilidade dos preços das commodities, como do petróleo, os efeitos secundários foram tão intensos que já são relevantes para as projeções da autarquia.

"De agora até a próxima reunião [em junho], a gente está 100% focado na inflação de 2023. Qualquer choque ou flutuação de preço de petróleo agora vai bater nas nossas projeções até o fim do ano, os efeitos secundários vão bater em 2023. Esse modelo já suaviza bastante, dentro do que acho razoável numa boa condução de política monetária", disse.

"O problema é que os choques são tão grandes que os efeitos secundários já são relevantes. A gente tem de conviver com isso, é desafiador, mas temos que lidar", completou.

Para Serra, no Brasil, o preço do petróleo ao consumidor "mal ou bem" está ajustado, enquanto há atraso em alguns países da América Latina para fazer esse ajuste. Destacou também que o resto do mundo deve atingir o pico de inflação mais adiante, enquanto o indicador, ainda que em um alto nível, deve começar a desacelerar no país.

O diretor do BC apontou ainda que, passados os choques, a inflação global deve caminhar para baixo, com Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) e outros bancos centrais empenhados em trazer o indicador para suas respectivas metas.

Nos 12 meses até abril, os preços ao consumidor nos EUA aumentaram 8,3%. Diante disso, o Fed aumentou as taxas de juros em 0,5 ponto percentual, para a faixa entre 0,75% e 1% ao ano, no início do mês de maio.

Com o ciclo de aperto monetário avançado no Brasil, Serra considera que a taxa básica de juros (Selic) é uma variável de ajuste e que o alto patamar atual, hoje em 12,75% ao ano, é uma questão transitória. O diretor do BC ressaltou que a Selic média entre 2004 e 2012, período de forte crescimento da economia, era de 12% ao ano.

"A gente vai convergir para um nível de taxa de juro que considera hoje neutro, por volta de 7% [ao ano], 3,5% real, meta de inflação de 3%. É do momento, do mesmo jeito que foi 2%, agora ela está 13%, vai ter momento que vai normalizar de novo", disse.

No dia 4 de maio, o Copom (Comitê de Política Monetária) do BC elevou a taxa básica de juros (Selic) em 1 ponto percentual, a 12,75% ao ano. Para a próxima reunião, nos dias 14 e 15 junho, sinalizou uma provável alta adicional de menor magnitude.

Segundo Serra, o momento exige aperto monetário global. "Quem tem mais credibilidade acumulada pode esperar um pouco mais, mas em algum momento todo mundo terá de reagir", afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos