Mercado abrirá em 2 h 8 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,72
    +0,17 (+0,21%)
     
  • OURO

    1.790,10
    +30,20 (+1,72%)
     
  • BTC-USD

    17.110,00
    +234,07 (+1,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,19
    +4,50 (+1,12%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.576,27
    +3,22 (+0,04%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    11.996,75
    -45,50 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4083
    +0,0118 (+0,22%)
     

Dinheiro 'esquecido': mais de 10 milhões ainda não consultaram sistema

Mais de 17,7 milhões de pessoas consultaram o novo sistema do governo do dinheiro 'esquecido'
Mais de 17,7 milhões de pessoas consultaram o novo sistema do governo do dinheiro 'esquecido'
  • BC criou calendário baseado na data de nascimento da pessoa ou de criação da empresa

  • Devolução do dinheiro poderá ser feita via Pix a partir de 7 de março

  • Quem consultou a ferramenta e viu que o saldo estava zerado poderá ter nova chance em maio

Depois de anunciar a possibilidade de a população - pessoas físicas e jurídicas - recuperar 'dinheiro esquecido', a notícia agora é de que o número total do público que ainda não consultou tal saldo ultrapassa a casa dos 10 milhões. Pois é, o Banco Central informou que até as 18h da última quarta-feira (16), cerca de 10,3 milhões que têm dinheiro esquecido em bancos ainda não haviam consultado o sistema do governo. No total, quase 87 milhões de consultas em CPFs e CNPJs já foram feitas, com o BC estimando que aproximadamente R$ 8 bilhões serão devolvidos a 28 milhões de pessoas.

Leia também:

Saldo positivo no sistema

Até o momento, mais de 17,7 milhões de pessoas consultaram o novo sistema do governo e constaram ter saldo positivo a receber - tal número corresponde a 20,4% do total. Deste número, 7,5 milhões são pessoas físicas e quase 250 mil são jurídicas. Ao mesmo tempo, 79,5% das consultas resultaram em saldo inexistente (quem consultou a ferramenta e viu que o saldo estava zerado poderá ter mais uma chance a partir de maio). Os valores a receber, no entanto, ainda não foram divulgados - com essa primeira consulta servindo apenas para mostrar às pessoas se há ou não saldo disponível.

Sobrecarga no sistema

O anúncio desta novidade foi feito em janeiro, pelo próprio Banco Central. Mas, a notícia de que se poderia ter dinheiro esquecido, a receber, deixou boa parte da população animada - o que acabou causando um grande número de acessos ao site, sobrecarregando o sistema e deixando o mesmo fora do ar (o BC suspendeu a operação até que um novo serviço fosse colocado no ar). Agora, a consulta é realizada em algumas etapas. A primeira, para saber se há saldo. Depois, para ver o valor total e as datas para saque/transferência.

Consulta do saldo

O processo para saber se há ou não saldo disponível no sistema do governo, é bastante simples. Para isso, basta acessar o site "valoresareceber.bcb.gov.br", digitar seu CPF e a data de nascimento - no caso de pessoa física - ou CNPJ e a data de criação da empresa - para pessoa jurídica. Com isso, já dá para consultar se você tem valores esquecidos em bancos. Se houver, o próprio sistema avisará em qual data será preciso retornar ao site para ter conhecimento do valor exato a receber e, assim, solicitar a transferência do montante.

Definição por data de nascimento

Para facilitar o acesso ao site e evitar uma nova sobrecarga no sistema, o BC criou um calendário - dividido em três partes, com critério baseado na data de nascimento da pessoa ou de criação da empresa - para que as pessoas físicas e jurídicas possam pedir o resgate. Com isso, os nascidos (ou empresas abertas) antes de 1968, poderão ter acesso no dia 11 de março. Depois, para nascidos ou empresas abertas entre 1968 e 1983, o acesso será disponibilizado entre 14 e 18 de março. Por fim, para nascidos ou empresas abertas após 1983, a data é de 21 a 25 de março.

Devolução do dinheiro

A devolução do dinheiro poderá ser feita via Pix a partir de 7 de março - quem optar por outra forma de transferência, deverá pedir informações aos respectivos bancos. Mas, para isso, é necessário criar um cadastro gratuito no site ou aplicativo "gov.br" - disponível na Google Play (Android) e na App Store (Apple). O login 'nível prata ou ouro' será adquirido após validação dos dados no site ou cadastro via reconhecimento facial.