Mercado abrirá em 3 h 54 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,18
    -0,21 (-0,56%)
     
  • OURO

    1.881,30
    +2,10 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    13.155,37
    -86,59 (-0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,43
    -12,26 (-4,50%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    24.589,29
    -119,51 (-0,48%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.242,00
    +109,25 (+0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7302
    -0,0042 (-0,06%)
     

Valor de ativos reais, como metais, deve aumentar diante de emissões de BCs, diz XP

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - Os ativos da indústria de mineração e os preços dos metais deverão ser beneficiados pelo movimento dos bancos centrais do mundo de emitir dinheiro para auxiliar a recuperação das economias durante a pandemia, disse nesta terça-feira o estrategista-chefe da XP Investimentos, Fernando Ferreira.

O "efeito mais claro" dessas grandes emissões de dinheiro na economia global é que as pessoas começam a duvidar dos valores emitidos, "e os ativos reais ganham valor", segundo ele.

"Ativos como ouro e prata, todos os metais, no final do dia acabam se fortalecendo em cenário de dólar mais fraco", afirmou Ferreira, durante seminário sobre financiamento e acesso ao mercado de capitais pelo setor de mineração.

Ele disse ainda que os setores exportadores, como é o caso da indústria de minério de ferro do Brasil, também acabam se beneficiando do atual cenário de real mais desvalorizado, em parte devido a "preocupações fiscais" no Brasil, que deixam o custo do país "mais competitivo" para vendas externas.

Ferreira ressaltou ainda que a economia chinesa, grande importadora de produtos como minério de ferro, "está retomando muito mais rápido que o restante do mundo", o que ajuda a indústria exportadora do Brasil e empresas como a Vale.

"A China deve ser um dos únicos países que não vai apresentar queda no PIB este ano...", declarou, lembrando que o país asiático está voltando a focar a infraestrutura como forma de obter uma recuperação mais rápida da economia.

(Por Roberto Samora)