Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.850,18
    +166,63 (+0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,38
    +0,11 (+0,21%)
     
  • OURO

    1.857,40
    +1,20 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    33.798,94
    +351,69 (+1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    681,26
    +4,36 (+0,64%)
     
  • S&P500

    3.842,88
    +1,41 (+0,04%)
     
  • DOW JONES

    30.890,43
    -106,55 (-0,34%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.377,50
    +16,00 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6370
    -0,0150 (-0,23%)
     

Vales-presente devem dar impulso para vendas de varejo nos EUA

Kim Bhasin e Jordyn Holman
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Vales-presente oferecem a varejistas dos Estados Unidos um fluxo de dinheiro muito necessário ao fecharem um ano difícil.

Os americanos devem comprar mais vales-presente do que nunca: a estimativa é que os gastos com o item aumentem 19% nesta temporada de Natal em relação ao ano passado, de acordo com o serviço de pagamentos Blackhawk Network. Mais da metade dos consumidores americanos dizem que comprarão mais vales nesta temporada do que nos anos anteriores. O plano é comprar 10 vales em média, o dobro do ano passado. E, com bilhões de dólares em vales-presente que não são resgatados anualmente, esse boom das vendas poderia se traduzir em dinheiro essencialmente grátis para varejistas no meio do trimestre mais importante do ano.

Consumidores tem redirecionado o dinheiro antes gasto com viagens e experiências durante a pandemia de coronavírus. Além disso, um vale-presente viaja facilmente pelo correio durante a temporada de festas de distanciamento social. O aumento das vendas é um bom presságio para varejistas, especialmente os “não essenciais” como Macy’s e Nordstrom, que ainda tentam recuperar a receita perdida enquanto as portas estavam fechadas no início deste ano.

“Este ano deve ser muito forte para os vales-presente”, disse Steve Sadove, consultor sênior da Mastercard e ex-CEO da Saks. Ele disse que as pessoas que podem estão dispostas a gastar. “O que vemos é a resiliência dos consumidores.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.