Mercado abrirá em 9 h 38 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,56
    +3,41 (+5,00%)
     
  • OURO

    1.795,00
    +6,90 (+0,39%)
     
  • BTC-USD

    57.704,96
    +3.319,79 (+6,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.439,77
    -15,64 (-1,07%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.038,10
    -42,42 (-0,18%)
     
  • NIKKEI

    28.750,21
    -1,41 (-0,00%)
     
  • NASDAQ

    16.237,75
    +186,75 (+1,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2999
    -0,0486 (-0,77%)
     

Valentina Herszage faz pole dance para viver dançarina em novela: 'Alma livre'

·3 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Valentina Herszage, 23, será a dançarina Flávia na novela "Quanto Mais Vida, Melhor!", próxima trama das 19h da Globo, com estreia programada para novembro. Na trama, a jovem trabalha na boate Pulp Fiction, mas aceita participar de um assalto com uma amiga.

"A Flávia é uma alma livre", define a atriz. "É uma jovem se arriscando e procurando o amor. Buscando seus sentidos na vida, querendo amar e se sentir amada."

Ela diz que usou como inspiração a personagem Alice, uma stripper vivida pela atriz Natalie Portman no filme "Closer" (2004). "[É] por conta de uma peruca rosa igual a dela que a Flávia usa quando vira a Pink, esse alter ego que ela assume quando ela está dançando no pole dance", explica.

"Outra grande referência é a Rita Lee, inclusive na novela tem uma música que a Flávia canta chamada 'Ambição'. Com a direção, entendemos que a música diz muito sobre ela, sobre esse caminho e novas descobertas que ela está percorrendo", diz

Ela diz que o maior desafio na composição da personagem foi "encontrar essa sensualidade, esse empoderamento e combinar isso tudo com uma fragilidade, uma humanidade". "Foi uma delícia descobrir todos esses lugares em mim", afirma.

Outra dificuldade foi aprender o pole dance, praticado pela personagem. "É muito difícil", garantiu. "É uma expressão artística, uma dança, mas você precisa de força e de técnica. Você precisa se sentir, se curtir na hora que está praticando."

"Isso foi uma das coisas mais bonitas que a Ju Natal, minha preparadora de pole dance, me transmitiu durante a preparação, que eu tenho que me curtir no pole dance, que tem que aproveitar o momento e curtir a dança", explicou. "Eu fiz 13 anos de jazz, mas, definitivamente, é muito diferente e eu amei fazer e quero continuar aprendendo e fazendo aula."

A atriz também vai cantar em cena, mas essa parte foi mais tranquila. "Eu amo cantar", conta. "Eu fiz 13 anos de uma escola que eu fazia dança, sapateado, canto, teatro e circo. E eu sempre me conectei muito com o teatro, claro, e muito com o canto, que sempre me acompanhou durante a minha vida."

"Eu vim da série 'Hebe', em que eu fazia a Hebe Camargo na fase jovem, quando ela era cantora", lembra. "Acabei de vir de um trabalho em que eu estudei música também, e aprendia as músicas da Carmem Miranda. Então, para mim, cantar é sempre uma bênção. É sempre presente."

Ela também comemora poder mostrar as relações familiares da personagem. "A relação da Flávia com seu pai, o Juca (Fabio Herford), é uma das coisas mais bonitas da história dela, porque existe muito afeto, muito amor e também um entendimento de que o pai vive circunscrito naquele casamento com a Odete (Luciana Paes)", adianta. "É um homem sem muita atitude de fato."

"A Flávia cresceu na noite, tendo que se virar, mas tem muito amor ali", garante. "E ela e a madrasta não se dão bem. Elas se bicam e tem tudo a ver com essa disputa afetiva pelo Juca."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos