Mercado fechará em 2 h 23 min
  • BOVESPA

    117.306,56
    +1.076,45 (+0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.779,97
    -266,61 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,77
    +1,25 (+1,44%)
     
  • OURO

    1.721,10
    -9,40 (-0,54%)
     
  • BTC-USD

    20.212,58
    +252,14 (+1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,04
    -0,37 (-0,08%)
     
  • S&P500

    3.774,69
    -16,24 (-0,43%)
     
  • DOW JONES

    30.238,05
    -78,27 (-0,26%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.595,50
    -45,25 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1275
    -0,0404 (-0,78%)
     

CORREÇÃO-Vale vê aumento de 44% na demanda global de níquel até 2030 e divulga projeções

(Corrige ano no 3º parágrafo para "2030", e não "2023")

SÃO PAULO (Reuters) - A mineradora Vale estimou nesta quarta-feira que a demanda global de níquel deverá aumentar 44% até 2030, na comparação com a previsão para este ano, somando 6,2 milhões de toneladas naquele ano, com impulso dos carros elétricos, que requerem o metal para suas baterias.

Em uma apresentação para investidores, a companhia disse que a "demanda de níquel está prevista para aumentar rapidamente nesta década com a transição energética", e que a unidade de metais básicos da Vale está "posicionada de forma única" para atender tais demandas de veículos elétricos e energias renováveis.

A demanda global de cobre --utilizado em baterias de veículos e sistemas de energias renováveis-- deve subir cerca de 20% até 2030, para 37 milhões de toneladas, estimou a Vale.

A companhia também estimou os volumes de produção da própria empresa. No médio prazo, a Vale deverá produzir 230-245 mil toneladas de níquel ao ano, versus projeção para 2022 de até 190 mil toneladas.

Em cobre, a previsão de médio prazo é de 390-420 mil toneladas ao ano, ante até 285 mil toneladas previstas para 2022.

Segundo a Vale, o crescimento na oferta de níquel deverá ser impulsionado principalmente por Indonésia e Canadá, onde a empresa tem operações, além de Austrália.

Mas a empresa não prevê a oferta alcançando a demanda, principalmente para os veículos elétricos de classe I.

Em cobre, a Vale também projeta um mercado com "déficit estrutural" no médio e longo prazos.

"Aumento da demanda, junto à falta de oferta, atrairá um interesse significativo em todo o setor", disse a Vale, que está posicionando seu negócio de Metais Básicos para ser o "parceiro" para um futuro sustentável.

(Por Roberto Samora; edição Paula Arend Laier)