Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.512,92
    +11,46 (+0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Vale, Suzano, Marfrig e bancos criam empresa para restaurar florestas

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um grupo formado por Itaú, Marfrig, Rabobank, Santander, Suzano e Vale anunciou neste sábado (12) a criação de uma empresa exclusivamente dedicada às atividades de restauração de áreas degradadas e conservação de florestas no Brasil.

Chamada de Biomas, a companhia vai contar com um aporte inicial de R$ 120 milhões -R$ 20 milhões de cada uma das seis sócias. A ideia é que ela se mantenha nos anos seguintes por meio da venda de créditos de carbono.

A aliança entre as empresas foi lançada durante a COP27, conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas que acontece em Sharm el-Sheik, no Egito.

A Biomas prevê, ao longo de 20 anos, alcançar 4 milhões de hectares de matas nativas preservadas -área equivalente ao estado do Rio de Janeiro.

Desse total, 2 milhões de hectares serão restaurados por meio do plantio de árvores nativas, e outros 2 milhões serão conservados. A atuação ocorrerá em diferentes biomas brasileiros, principalmente Amazônia e Cerrado.

Entre remoções e emissões evitadas, a Biomas calcula reduzir aproximadamente 900 milhões de toneladas de carbono da atmosfera no período de duas décadas. Além disso, estima-se que a nova empresa contribuirá para a proteção de mais de 4.000 espécies de animais e plantas.

De acordo com a aliança de empresas, a primeira etapa do projeto consistirá na identificação de áreas e fomento a viveiros para produção de árvores nativas em larga escala.

As sócias ainda vão estruturar o corpo técnico da nova empresa, que não pretende adquirir áreas, mas fazer parcerias com proprietários de terras, a partir da geração de crédito de carbono e compartilhamento de parte dessa receita.

Os primeiros passos da Biomas também envolvem engajar comunidades locais nas atividades da empresa, discutir a aplicação do projeto em áreas públicas, buscar parcerias com plataformas de certificação de créditos de carbono e implementar projetos pilotos.

A conclusão da operação está sujeita a aprovações regulatórias. A expectativa é que as atividades de restauração e conservação comecem em 2023 e ganhem escala a partir de 2025, até alcançar a meta de 4 milhões de hectares.

Encabeçada pela Suzano, do setor de papel e celulose, a aliança também espera estimular o desenvolvimento das regiões onde a empresa atuar, gerando empregos a partir das atividades de plantio, do desenvolvimento de novos viveiros e do envolvimento das comunidades na cadeia de valor do projeto

"Reunimos a força dessas empresas em uma iniciativa inédita no mundo para promovermos um movimento de impacto positivo, com condições efetivas de gerar e compartilhar valor com comunidades locais e o meio ambiente a partir da promoção de ações de restauração, conservação e preservação", disse Walter Schalka, presidente da Suzano, em nota.

Paulo Pianez, diretor de sustentabilidade e comunicação corporativa da Marfrig, afirma que a iniciativa contribui para tornar a cadeia de fornecimento do frigorífico mais sustentável.