Mercado abrirá em 5 h 31 min
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,96
    +0,60 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.786,40
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    49.799,54
    -883,21 (-1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.303,95
    -1,17 (-0,09%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    24.216,83
    +219,96 (+0,92%)
     
  • NIKKEI

    28.725,47
    -135,15 (-0,47%)
     
  • NASDAQ

    16.368,25
    -24,00 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2748
    +0,0007 (+0,01%)
     

Vale pode ser investigada nos EUA por Brumadinho

·2 min de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Vale infomou nesta quinta (28) que recebeu notificação da SEC, órgão que fiscaliza o mercado de capitais nos Estados Unidos, sobre a possiblidade de abertura de investigação a respeito da tragédia de Brumadinho, que deixou 272 mortos em janeiro de 2019.

Segundo a mineradora, a investigação foi recomendada pela equipe da SEC, que alega violações da lei de títulos mobiliários americana sobre divulgações a respeito da gestão de segurança de barragens, em geral, e da barragem de Brumadinho, especificamente.

Em comunicado ao mercado, a Vale diz que a notificação "não é uma acusação formal ou alegação de má conduta". "Ela dá à Vale oportunidade de prover seu ponto de vista e de abordar questões levantadas pela equipe da SEC", afirma a companhia.

A tragédia ocorreu no dia 25 de janeiro de 2019, com o rompimento de uma barragem na mina Córrego do Feijão. Parte das vítimas estava no refeitório da unidade, que ficava logo abaixo da barragem, que a Vale sabia que corria risco de ser atingido rapidamente em caso de acidente.

O rompimento da barragem é alvo de processos da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), órgão equivalente à SEC no Brasil, que acusou em abril dois ex-executivos da companhia por não observância de seus deveres fiduciários em relação a Brumadinho.

Em paralelo, a Justiça analisa denúncia contra ex-executivos, a Vale e a alemã Tüv Süd, responsável pela análise da segurança da barragem. Eles são acusados pelo Ministério Público de Minas Gerais por homicídio doloso duplamente e crimes ambientais.

Na denúncia, o Ministério Público afirma ter ocorrido acerto entre a Vale e a Tüv Süd para esconder do poder público, da sociedade e de acionistas a situação da segurança de barragens mantidas pela mineradora.

Na semana passada, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) anulou o recebimento da denúncia pela Justiça de Minas Gerais, alegando que a competência para julgamento do caso é federal, já que envolve atribuições da ANM (Agência Nacional de Mineração).

A decisão gerou protestos entre os atingidos pela tragédia, que temem mais atrasos no julgamento do caso.

No comunicado desta quinta, a Vale diz que discorda da posição da equipe da SEC e responderá no âmbito do processo. Caso uma ação seja autorizada, a Vale pode estar sujeita a penas como pagamento de multa ou reversão de ganhos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos