Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.197,98
    -726,86 (-1,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Vale perde posto de empresa mais valiosa da América Latina, com queda do minério de ferro

·2 minuto de leitura

RIO — Os preços do minério de ferro em queda livre reduziram em cerca de US$ 40 bilhões o valor de mercado da Vale. Com isso, a mineradora perdeu o título de empresa mais valiosa da América Latina para o Mercado Livre.

Em abril, a companhia superou a marca dos US$ 100 bilhões em valor de mercado, justamente em um cenário de alta da commodity no exterior.

No entanto, com a desvalorização de 32% da ação da Vale em relação à máxima registrada no fim de julho em dólar, a mineradora agora está atrás da gigante de comércio eletrônico argentina atualmente avaliada em US$ 90 bilhões, mais de US$ 480 bilhões, após o forte desempenho do seu negócio fintech no último trimestre.

Após o fechamento do pregão, o valor de mercado da Vale hoje é de R$ 433,99 bilhões, segundo dados da B3.

Nesta segunda-feira, os papéis ordinários da companhia (VALE3, com direito a voto) caíram 3,30%, negociados a R$ 83,31.

Entre as causas para a redução do valor da commodity estão a situação da gigante imobiliária chinesa Evergrande. Esta semana é decisiva para a empresa, pois ela tem várias dívidas a vencer até quinta-feira, e o temor é de calote. A companhia é a incorporadora mais endividada do mundo, com US$ 300 bilhões em débitos.

As dificuldades da Evergrande podem impor um freio ao setor de construção civil na China e, assim, reduzir a demanda por aço.

E isso influencia negativamente a cotação do minério de ferro, que vem em franca desvalorização nas últimas semanas. A Evergrande é uma das grandes consumidoras de produtos do setor siderúrgico.

O minério com teor de 62% de ferro, principal referência do mercado, fechou o dia em queda de 8,8% no porto chinês de Qingdao, cotado a US$ 92,98 por tonelada.

Os contratos futuros da commodity, negoaciados em Cingapura, despencaram 11,5% nesta segunda-feira. Os preços despencaram cerca de 60% desde um recorde em maio, e estão abaixo dos US$ 100 pela primeira vez em mais de um ano, à medida que a demanda chinesa diminui.

Além do caso Evergrande, a desaceleração da economia chinesa e a preocupação do governo local em cumprir metas de redução das emissões de carbono também são fatores que levam à desvalorização dos preços.

Rebaixamento de compra

Na semana passada, o UBS anunciou um duplo rebaixamento de recomendação para os ADRs da Vale, de compra para venda, enquanto o Bradesco BBI vê riscos em um ambiente volátil para os preços das commodities com tendência baixista.

Se o minério de ferro for negociado a US$ 90 em média no próximo ano, o Ebitda da Vale pode ficar abaixo da estimativa de consenso para 2022 em 38%.

O impacto na Vale poderia ser ainda pior se a mineradora não tivesse anunciado US$ 13,8 bilhões em remuneração aos acionistas até agora neste ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos