Mercado fechado

Vale a pena comprar Google Nest Hub fora do Brasil?

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O Google Nest Hub de 2ª Geração corrige alguns defeitos do modelo de primeira e é um dos melhores smart displays que existem. Mas tem um defeito que pode ser crucial para afastar um consumidor brasileiro: não possui suporte nenhum ao português.

É isso mesmo que você leu. Para conversar com o Assistente no dispositivo com tela de 7 polegadas da Gigante das Buscas, você tem que usar o inglês ou espanhol. Além disso, o produto sequer é vendido oficialmente por aqui. Ou seja, nada de suporte ou assistência técnica em caso de defeitos.

E por isso eu não recomendo que você compre um smart display do Google se mora no Brasil. Não se convenceu? Então vem comigo que eu explico tudo nos próximos parágrafos.

Interface é um dos diferenciais

Google Nest Hub não é superior tecnicamente ao Echo Show porque possui som mono e densidade de pixels inferior. Além disso, o modelo de 2ª Geração tem processador de quatro núcleos, enquanto a Amazon já passou a utilizar chips com oito núcleos.

A principal diferença é, a meu ver, a interface. Um smart display tem a vantagem de oferecer interação pela tela, além da voz. E é aí que o Nest Hub poderia conquistar mais usuários no Brasil.

Nest Hub tem um menu de serviços com várias opções interessantes (Imagem: Ivo Meneghel Jr/Canaltech)
Nest Hub tem um menu de serviços com várias opções interessantes (Imagem: Ivo Meneghel Jr/Canaltech)

O sistema do dispositivo é simples, intuitivo e visualmente agradável. Na tela inicial, você tem hora e clima locais, além de pequenas barras nas bordas. Ao arrastá-las, você acessa menus com opções como configurações do dispositivo ou serviços disponíveis.

Neste segundo caso, existe a possibilidade de acessar vídeos no YouTube, streaming musical e coisas do tipo. Também pode encontrar receitas e podcasts. Essas opções aparecem ao arrastar a barra da direita, indo da direita para a esquerda na tela.

Arrastando a barra de baixo, você tem configurações rápidas, como brilho da tela e volume do dispositivo. Na da esquerda, a tela passa a exibir apenas o relógio, na mesma visualização de quando não há luz no ambiente. Ou seja, é a tela para deixar o quarto mais escuro.

Controle da casa e do dispositivo são bem simples no Nest Hub (Imagem: Ivo Meneghel Jr/Canaltech)
Controle da casa e do dispositivo são bem simples no Nest Hub (Imagem: Ivo Meneghel Jr/Canaltech)

Já a barra superior oferece ajustes e controles de dispositivos conectados, além de comandos do Assistente. São atalhos para emitir comandos pela tela, em vez de usar a voz. É possível ajustar alarme para acordar, com um despertar suave, por exemplo. Ou acender e apagar luzes.

No Echo Show, esses recursos extras são mais limitados. O menu ao arrastar da borda superior é como um Iniciar do Windows, com várias opções. E aí uma ação simples, como apagar ou acender uma luz, por exemplo, exige mais passos do que no Nest Hub.

Vale a pena comprar o Google Nest Hub fora do Brasil?

Se você mora fora do país, provavelmente está mais acostumado a falar outros idiomas, e aí não vejo um grande problema em ter o Nest Hub. Para quem está no Brasil e não tem tanto hábito de usar outras línguas, principalmente dentro de casa, fica mais complicado.

Além da questão do idioma, tem a assistência. Se você der um azar e o dispositivo parar de funcionar em algum momento, tem que torcer para o suporte da empresa aqui no Brasil ter uma solução. Caso o diagnóstico seja a necessidade de substituir o aparelho, aí "você se lascou". Terá que levar o smart display de volta ao país de origem.

Se você costuma fazer essa viagem com frequência, ótimo. Mas se ele voltar a dar defeito, terá que levar novamente até o país onde ele foi vendido do Google para o varejo, levar à assistência técnica e realizar uma nova troca.

Ou seja, o produto é bem interessante, e eu até prefiro ele ao Echo Show. Mas acho complicado ficar sem assistência técnica oficial para um produto que pode dar defeito a qualquer momento. E isso vale para qualquer coisa hoje em dia, até mesmo um mouse.

Infelizmente não existe ainda um processo de fabricação 100% à prova de falhas. Além disso, atualizações de software podem dar errado, ainda mais em redes sem fio. Por isso eu tenho o máximo cuidado ao recomendar importação de produtos de tecnologia.

É um risco que você precisa ter em mente. Se quiser encará-lo, não tem problema, desde que se lembre disso depois.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos