Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.914,38
    +126,07 (+0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Vale paga US$2,5 bi e liquida project finance do corredor logístico em Moçambique

·1 minuto de leitura
Logo da empresa brasileira Vale SA em Brumadinho.

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Vale liquidará antecipadamente passivo de cerca de 2,5 bilhões de dólares referente ao project finance do Corredor Logístico de Nacala (CLN), que atende a um projeto de carvão em Moçambique, informou a mineradora em comunicado ao mercado nesta terça-feira.

Com a liquidação, prevista para 22 de junho, a companhia disse que terá cumprido todas as condicionantes para a conclusão da compra da participação da Mitsui na mina de carvão de Moatize e no CLN.

O pagamento era necessário uma vez que as condições do project finance não permitiam que a Mitsui vendesse sua participação, segundo explicou a assessoria de imprensa.

A Vale havia publicado em janeiro a assinatura de acordo com a Mitsui para a compra dos ativos, quando também informou sua intenção de desinvestir do negócio no futuro.

"Com a simplificação da governança e da gestão dos ativos, a Vale dá continuidade ao processo de desinvestimento responsável da sua participação no negócio de carvão, pautado na preservação da continuidade operacional da mina de Moatize e do CLN", afirmou a Vale no comunicado desta terça-feira.

A partir do fechamento da aquisição das participações da Mitsui, a Vale afirmou que passará a consolidar em suas demonstrações financeiras a mina de Moatize e o CLN.

Segundo a empresa, seu Ebitda deixará de ser onerado com custos relacionados ao serviço das dívidas, investimento de manutenção das operações e outros, financiados pela tarifa do CLN, e que já descontados os juros recebidos pela Vale, impactou o Ebitda de 2020 em aproximadamente 300 milhões de dólares.

(Marta Nogueira)