Mercado fechará em 2 h 3 min
  • BOVESPA

    111.726,65
    +817,04 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.515,80
    +341,74 (+0,68%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,36
    +2,16 (+2,76%)
     
  • OURO

    1.767,00
    +3,30 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    16.863,16
    +453,35 (+2,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,61
    -0,09 (-0,02%)
     
  • S&P500

    3.954,37
    -3,26 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.702,24
    -150,29 (-0,44%)
     
  • FTSE

    7.587,51
    +75,51 (+1,01%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.567,00
    +42,25 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4222
    -0,0344 (-0,63%)
     

Vale fecha acordos no Oriente Médio para "hubs" de produtos de baixo carbono para siderurgia

Logo da Vale em unidade da empresa em Brumadinho

SÃO PAULO (Reuters) - A Vale anunciou nesta terça-feira a assinatura de três acordos para desenvolver complexos industriais ("mega hubs") no Oriente Médio para fabricar produtos de baixo carbono para a indústria siderúrgica.

Segundo a mineradora, as parcerias foram fechadas com autoridades locais e clientes no Reino da Arábia Saudita, nos Emirados Árabes Unidos e no Sultanato de Omã.

As partes irão cooperar no desenvolvimento desses mega hubs com o objetivo de produzir "hot briquetted iron" e produtos de aço para suprir os mercados locais e transoceânico, com redução significativa das emissões de CO2.

Espera-se que a Vale construa e opere as plantas de concentração e briquetagem de minério de ferro nos hubs, enquanto os parceiros locais deverão promover a construção da infraestrutura logística necessária. Já investidores e clientes devem construir e operar plantas de redução direta, além de comprar HBI para os mercados de exportação e doméstico.

"Com essa iniciativa, a Vale vai garantir a disponibilidade de produtos aglomerados de alta qualidade e promover a expansão da indústria do aço com baixa emissão de CO2", disse o presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, em nota.

"Nós vemos um grande potencial na rota de redução direta, com a demanda transoceânica por esses produtos aglomerados de alta qualidade crescendo 100 milhões de toneladas nos próximos 15-20 anos", acrescentou Marcello Spinelli, vice-Presidente executivo de Ferrosos da Vale.

Spinelli destacou ainda a aposta no Oriente Médio, com "preços competitivos de energia, localização estratégica e a mentalidade empreendedora".

(Por Letícia Fucuchima)