Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.308,71
    +290,43 (+0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Vale prevê compromissos de R$24,7 bi até 2057 para manter ferrovias

Luciano Costa
·2 minuto de leitura
Logo da Vale em São Gonçalo do Rio Abaixo

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A mineradora Vale assumirá compromissos estimados em 24,7 bilhões de reais a serem executados até 2057 em troca da renovação antecipada dos contratos de concessão de suas ferrovias Estrada de Ferro Carajás e Estrada de Ferro Vitória a Minas a partir do vencimento dos atuais contratos, em 2027.

A companhia informou em fato relevante que termos aditivos para formalizar a prorrogação por 30 anos foram aprovados pelo conselho de administração neta quarta-feira, com assinatura prevista para os próximos dias.

Do total em obrigações envolvidas na prorrogação, 11,8 bilhões de reais correspondem a pagamento de outorga, o equivalente a 79 milhões de reais por trimestre entre 2021 e 2057.

"Os desembolsos para as prorrogações antecipadas de concessões ferroviárias já vinham sendo considerados no planejamento de longo prazo da companhia ", afirmou a companhia.

A Vale explicou que, quando assinar os aditivos contratuais, reconhecerá a valor presente em seu balanço ativos intangíveis relativos à totalidade dos compromissos com outorga e outras contrapartidas.

"Tais compromissos não impactarão o Ebitda, e menos de 5% dos compromissos serão contabilizados como capex (investimento), porém a amortização dos ativos intangíveis é redutora do lucro líquido", detalhou a companhia, em referência aos efeitos sobre os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização.

O presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, disse em nota que a medida é um importante passo para reduzir riscos associados à companhia.

"As prorrogações antecipadas retiram uma grande incerteza sobre a perenidade de parte relevante de nossa cadeia de logística integrada", afirmou.

A Vale disse ter investido 35,7 bilhões de reais entre 2006 e 2019 nas duas concessões ferroviárias prorrogadas, conhecidas como EFC e EFVM.

FICO E FIOL

Entre as contrapartidas pela prorrogação dos contratos, está também a previsão de desembolsos de 9 bilhões de reais relacionados às ferrovias conhecidas como FICO e FIOL.

Pelo acordo, a Vale será responsável pela implantação da infraestrutura e superestrutura ferroviária do trecho da FICO (EF-354) compreendido entre os municípios de Mara Rosa (GO) e Água Boa (MT), com cerca de 383 km de extensão.

O investimento é estimado pela Vale em 8,7 bilhões de reais, com prazo de execução de seis anos e início previsto em 2021.

A Vale também vai adquiri e entregar par o trecho II da obra da FIOL, na Bahia, trilhos e dormentes no valor total estimado em 300 milhões de reais.

A companhia ainda prevê 3,9 bilhões de reais em outros compromissos, que incluem ampliação da oferta de serviço de trem de passageiros nas concessões, entre outros.