Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.779,30
    +1,90 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    32.542,76
    +386,26 (+1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    767,68
    -26,65 (-3,36%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.268,50
    +10,25 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9198
    -0,0555 (-0,93%)
     

Vale, Anglo American, Equinor e outras estudam uso da amônia como combustível marinho

·2 minuto de leitura
Unidade produtora de amônia em Bulo Bulo, Bolívia

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Vale, Anglo American, Equinor, Total e outras diversas empresas assinaram nesta sexta-feira um memorando de entendimento para estudar o uso da amônia como combustível marinho alternativo, informou em nota à imprensa a mineradora brasileira, como parte de esforços para reduzir suas emissões.

O grupo reúne companhias de indústrias variadas como energia, mineração, química, terminais e estaleiros.

O acordo, segundo a Vale, prevê estudos sobre o impacto de avaliação da segurança do uso de NH3 (amônia) como combustível; os procedimentos para abastecimento de embarcações; a sua especificação como combustível; e as emissões líquidas de carbono na produção do produto.

Além disso, o grupo de estudo poderá solicitar a alguns dos produtores de NH3, organizações internacionais, autoridades portuárias e reguladores em potenciais países de bunker para que compartilhem sua opinião, visão e experiência sobre o tema.

A Vale destacou que a adoção antecipada da amônia como um combustível marinho alternativo é um dos elementos-chave para que o setor possa atingir metas da Organização Marítima Internacional (IMO, na sigla em inglês) de redução de emissões.

O setor se comprometeu a reduzir em pelo menos 40% as emissões até 2030, e em 50% até 2050, comparadas aos níveis de 2008. O objetivo é zerar as emissões do setor até o fim deste século.

O estudo conjunto não se limita a verificar e resolver questões comuns sobre a amônia como combustível alternativo, mas também avaliar o desenvolvimento integrado de embarcações movidas a amônia e a cadeia de suprimento mundial do produto pela Itochu e outros parceiros.

São signatárias do documento as empresas ABS, Anglo American, Classnk, DNV, Equinor, Fortescue Metals Group, Genco Shipping & Trading, Jera, K-Line, Man Energy Solutions, Mitsui E&S Machinery, Nihon Shipyard, NS United Pavilion Energy, Total Energies, Trafigura, Ube Industries, Uniper, Uyeno Transtech, Vopak Terminal Singapore, Itochu Enex e Itochu. Outros grupo e organizações ainda poderão aderir, caso tenham interesse.

(Por Marta Nogueira)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos