Mercado abrirá em 40 mins
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,97
    +1,20 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.853,90
    -11,50 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    29.461,59
    +218,60 (+0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    655,38
    -0,44 (-0,07%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.505,95
    +21,60 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    20.171,27
    +59,17 (+0,29%)
     
  • NIKKEI

    26.677,80
    -70,34 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    11.690,25
    -80,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1706
    -0,0016 (-0,03%)
     

Vale acusa Steinmetz de fraude em acordo de US$ 2,5 bi na Guiné

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Mais de uma década depois de a Vale concordar em pagar US$ 2,5 bilhões a Beny Steinmetz por uma participação na maior reserva mundial de minério de ferro, as duas partes estão prestes a travar uma batalha em um tribunal de Londres. A companhia brasileira acusa o bilionário israelense de ter cometido uma fraude “elaborada”.

Segundo os advogados da Vale, Steinmetz e outras cinco pessoas ligadas à sua empresa BSGR firmaram contratos que entregam à Vale os direitos da mina Simandou, na Guiné, que eles sabiam que tinham obtido por meio de subornos. Essas propinas incluíam pagamentos de US$ 9,4 milhões à esposa do ex-presidente da Guiné, acrescentaram.

Beny Steinmetz nega enfaticamente “todas as alegações da Vale contra ele – incluindo as de corrupção”, disse seu advogado de defesa Justin Fenwick em documentos preparados para a audiência. “As evidências apresentadas no julgamento demonstrarão que isso está longe de ser verdade e que a Vale entrou nessa transação cinicamente ciente do que acredita ser uma evidência clara de corrupção por parte do BSGR.”

O julgamento iniciado nesta quarta-feira representa o capítulo mais recente de uma saga de 12 anos sobre o controle de um dos depósitos minerais mais abundantes do planeta. Steinmetz, hoje com 65 anos, adquiriu os direitos do projeto de minério de ferro de Simandou em 2008, antes de o governo da Guiné retomar esses direitos em virtude de uma investigação de corrupção sobre os meios usados pelo empresário israelense para obter o contrato.

O inquérito no país africano, por sua vez, desencadeou investigações nos EUA e na Suíça mirando Steinmetz, BSGR e outras empresas que ele controlava.

“Se algum dos réus fosse genuinamente honesto, reconheceria que a BSGR estava engajada em práticas corruptas”, disse a advogada da Vale, Sonia Tolaney, em documentos preparados para a audiência.

A Vale pede indenização de até US$ 1,2 bilhão de Steinmetz e seus associados. Em 2019, um tribunal arbitral de Londres concedeu à mineradora brasileira US$ 2 bilhões em compensação, mas a BSGR está tentando derrubar essa decisão na Justiça.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos