Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.088,05
    -762,46 (-1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Vai ser a maior tragédia humanitária da história do Brasil, diz prefeito de Araraquara

CAMILA MATTOSO
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* ARARAQUARA, SP, 19.03.2017 - O prefeito de Araraquara (SP), Edinho Silva (PT), acompanha partida entre Ferroviária e Corinthians, na Arena da Fonte Luminosa. (Foto: Célio Messias/Folhapress)
*ARQUIVO* ARARAQUARA, SP, 19.03.2017 - O prefeito de Araraquara (SP), Edinho Silva (PT), acompanha partida entre Ferroviária e Corinthians, na Arena da Fonte Luminosa. (Foto: Célio Messias/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A cidade de Araraquara (a 273 km de São Paulo) foi a primeira cidade da região Sudeste a sentir o impacto da variante brasileira do novo coronavírus. Em lockdown desde a metade de fevereiro, o município de 238 mil habitantes viu a ocupação de leitos alcançar 100% e o número de mortos disparar -nos dois primeiros meses do ano foram registradas mais mortes do que em todo o ano de 2020.

Para o atual prefeito do município paulista, Edinho Silva (PT), ex-ministro no governo de Dilma Rousseff, o caos visto nos últimos dias em cidades de diversas regiões do país era possível de se prever e a situação ainda deve piorar com mais cidades com esgotamento na capacidade de atendimento aos doentes.

“Estamos vivendo algo que vai ser a maior tragédia humanitária da história do Brasil. O que vimos em Manaus vamos ver no Brasil inteiro. Hoje já temos registros de pacientes morrendo sem atendimento no Rio Grande do Sul, aqui em São Paulo. Vai ser a realidade do país, infelizmente”, diz ele.

Ao citar Manaus, o petista afirma que o governo federal tinha condições para, ainda em dezembro, reunir todas as informações necessárias e prever o que estava por vir. Entretanto, diz ele, o que se viu foi o desmonte da estrutura de enfrentamento à pandemia ao descredenciar leitos de UTI e travar a liberação de recursos.

Para o prefeito, a situação pela qual o Brasil passa, com uma escalada de mortes e aumento exponencial no número de casos, é resultado de uma “leitura estreita” de quem vê uma contradição entre a necessidade de proteger a economia e a vida dos brasileiros. “Se não amenizar a instabilidade fazendo gestão da pandemia não tem economia que volte a crescer. Com 1,9 mil pessoas morrendo por dia, qual investidor vai colocar dinheiro no Brasil?”, questiona o petista.