Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.909,03
    -129,08 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,13 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,55
    -0,37 (-0,57%)
     
  • OURO

    1.836,90
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    55.413,41
    -3.282,24 (-5,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.452,71
    -108,59 (-6,96%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,94 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.123,68
    -6,03 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.856,34
    -662,00 (-2,24%)
     
  • NASDAQ

    13.218,50
    -138,25 (-1,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3579
    +0,0177 (+0,28%)
     

Dona da "ppk que explodiu" sobre história inusitada: "Pensei que ficaria no anonimato"

Amanda Caroline
·5 minuto de leitura
Jovem de 24 anos que teve inflamação na região do lábio vaginal detalha episódio que viralizou no TikTok (Foto: Instagram @annaclaramo/Getty Creative)
Jovem de 24 anos que teve inflamação na região do lábio vaginal detalha episódio que viralizou no TikTok (Foto: Instagram @annaclaramo/Getty Creative)

Resumo da notícia

  • Jovem de 24 anos viralizou no TikTok com relato sobre "o dia em que sua ppk explodiu"

  • Os vídeos sobre a história inusitada da influenciadora digital Anna Clara Moreira, de São José dos Campos (SP), tem mais de 12 milhões de visualizações na rede social

  • Ela teve bartolinite, inflamação da glândula de Bartholin

A influenciadora digital Anna Clara Moreira, de 24 anos, produz conteúdo de beleza para o TikTok, mas bombou na rede social com um relato inusitado sobre "o dia que sua ppk [apelido para vagina] explodiu". O título da sequência de vídeos é exatamente esse, o que também explica o sucesso da "história dramática" na plataforma — ao todo, são quase 12,3 milhões de visualizações.

Fique tranquilo, a "ppk" dela não explodiu de verdade. Anna Clara teve uma bartolinite. Esse nome é novidade para você? A gente te conta tudo sobre a doença logo mais.

Leia também

"Pensei que ficaria no anonimato"

Anna Clara decidiu contar seus causos no TikTok como uma forma de se distrair na quarentena. "Sempre contava para os meus amigos e eles e divertiam comigo", explica. Acontece que a história da "ppk explosiva" saiu do controle da jovem. "Pensei que ficaria no anonimato total. Horas depois, os vídeos estavam com muitas visualizações e começaram a compartilhar os vídeos em outras redes sociais sem o meu consentimento. Fiquei chocada", desabafa.

Mas a repercussão da situação inusitada foi positiva na internet e entre os conhecidos da nova estrela do TikTok. "Meus amigos e familiares viram os vídeos e adoraram. Elogiaram muito a forma como contei a história, de maneira leve e divertida. Muita gente se identificou e também agradeceu porque não conhecia a doença. Também me relataram sintomas como se eu fosse médica. Não, eu não sou médica", brinca.

E essa história, hein?

O episódio aconteceu em 2018. A jovem de São José dos Campos (SP) conta que a dor na região apareceu depois de passar horas vestindo uma calça jeans muito apertada e sem ir ao banheiro.

Quando chegou em casa após viagem de carro, ela sentiu desconforto ao fazer xixi. A partir daí, o incômodo só aumentou. Dois dias depois, Anna Clara não conseguia encontrar uma posição confortável para ficar — ela sentia dor deitada, de pé, ao caminhar... — e ficou chocada quando decidiu examinar a região. Segundo a influencer, um dos lados estava "cinco vezes maior que o outro".

"Foi um susto grande na hora que eu vi, nunca tinha ouvido falar na doença. A primeira coisa que veio na minha cabeça foi uma doença sexualmente transmissível", diz em entrevista ao Yahoo!. Ela relutou, precisou ir ao hospital para entender o que estava acontecendo no seu corpo. Afinal, Anna Clara estava sentindo a maior dor de sua vida. O diagnóstico veio de imediato: bartolinite.

O médico ginecologista Luciano Curuci, diretor do Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura (CMBA), explica a doença:

Bartolinite é a inflamação das glândulas de Bartholin. Essas duas glândulas ficam próximas à base do pequeno lábio vaginal, uma de cada lado. Essa região é próxima ao períneo da mulher, que fica entre a vagina e o ânus.

Confira um trecho do relato:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O médico que cuidou do caso da jovem sugeriu a drenagem do abcesso, mas a jovem optou por não realizar o procedimento com incisão no local. Ela foi medicada no hospital e seguiu o tratamento em casa. Mas o "inusitado" aconteceu quando Anna Clara dormia: de repente, a tiktoker espirrou e o abcesso explodiu naturalmente.

"Foi uma surpresa quando o abcesso estourou e eu corri para o banheiro. No momento em que tomei um banho quente, a dor acabou", relata. Essa história é mesmo de tirar o fôlego!

Que dor, hein?! (Foto: Reprodução/Giphy)
Que dor, hein?! (Foto: Reprodução/Giphy)

Bartolinite: causa e sintomas

Segundo o médico ginecologista Luciano Curuci, as glândulas são responsáveis pela lubrificação vaginal. São as bactérias (principalmente Diplococos e Naisseria) que podem levar ao entupimento e à obstrução da glândula de Bartholin. "Na maioria dos casos, apenas um lado é acometido. É mais raro a mulher ter as duas glândulas de Bartholin acometidas", explica o especialista.

A inflamação forma um edema local e causa muita dor na região. A bartolinite ainda cauda incômodo para andar e sentar.

Tratamento da doença

O tratamento inicial é com anti-inflamatórios por via oral, anti-inflamatórios e analgesia por via tópica, banhos de assento e antibióticos por via oral. "Se o tratamento clínico não der certo, a paciente pode voltar a ter o abcesso da glândula de Bartholin. É importante dizer que com banhos de assento e compressas quentes pode haver a drenagem espontânea do abcesso", diz o médico. Foi o caso de Anna Clara, que recorreu às terapias com água quente.

Atenção: o cisto de Bartholin pode ser refeito. "Isso pode acontecer quando se faz uma drenagem com uma pequena incisão local. Existe ainda a chance de recidiva. Em casos de repetição, é indicada a cirurgia, que chama-se bartolinectomia. No procedimento, toda a glândula é extirpada. Isso não prejudica a mulher com o ressecamento da vagina", garante o ginecologista.

"A acupuntura aplicada por um ginecologista pode ser usada em um processo de inflamação aguda. Com a aplicação em pontos na região pélvica e abdominal, e até em pontos que circundam o processo inflamatório, ocorre o alívio da dor e a diminuição do processo inflamatório local. Não é a acupuntura que vai tratar a bartolinite, mas sim o tratamento medicamentoso. A acupuntura soma ao tratamento analgésico", finaliza o médico.

Veja mais: Thaynara OG desabafa sobre pressão estética no Yahoo! Entrevista