Mercado fechará em 2 h 34 min
  • BOVESPA

    110.280,20
    +1.792,32 (+1,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.808,64
    +290,34 (+0,56%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,76
    -0,52 (-0,47%)
     
  • OURO

    1.846,40
    +4,30 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    30.109,56
    +28,58 (+0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    675,76
    +0,89 (+0,13%)
     
  • S&P500

    3.953,83
    +52,47 (+1,34%)
     
  • DOW JONES

    31.801,91
    +540,01 (+1,73%)
     
  • FTSE

    7.513,44
    +123,46 (+1,67%)
     
  • HANG SENG

    20.470,06
    -247,18 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    11.949,50
    +108,75 (+0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1303
    -0,0225 (-0,44%)
     

Vacinas protegem contra covid longa?

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Vacinas podem nos proteger contra a covid longa? Vários estudo buscaram responder a essa pergunta, levando em consideração as proporções que a vacinação contra a covid-19 alcançou em diversos países, diminuindo o número de casos e protegendo, sobretudo, da forma grave da doença. As sequelas da forma longa da condição costumam causar complicações duradouras e até permanentes.

Em janeiro, um projeto israelense publicado na revista científica Nature apontou que as pessoas com covid-19 que tinham tomado doses da vacina da Pfizer eram muito menos propensas a relatar qualquer um dos sintomas comuns de covid longa do que as pessoas que não tinham tomado nenhuma dose.

Segundo o estudo, os pacientes totalmente vacinados que tiveram covid-19 eram 54% menos propensos a relatar dores de cabeça, 64% menos propensos a relatar fadiga e 68% menos propensos a relatar dores musculares do que aqueles que não tomaram vacina. No próprio estudo, a equipe cita um artigo anterior conduzido no Reino Unido, em que se descobriu a redução de 50% no risco de covid de longa duração.

Segundo um artigo do Mount Sinai Hospital’s Abilities Research Center (EUA) publicado no último mês de novembro, a covid longa é visivelmente menos comum nas pessoas vacinadas, mas ainda é possível. O relatório indica que as vacinas reduzem o risco, mas não são tão eficazes na prevenção completa da doença em si.

Além disso, a publicação relembra que a covid longa pode surgir mesmo após uma infecção leve ou assintomática, e países com altas taxas de infecção ainda podem acabar com muitos casos de COVID longa, mesmo que as nações tenham altas taxas de vacinação, o que torna a situação difícil de prever.

Vacinas reduzem chances de covid longa

Estudos relacionam os impactos positivos das vacinas na covid longa (Imagem: Ha4ipuri/envato)
Estudos relacionam os impactos positivos das vacinas na covid longa (Imagem: Ha4ipuri/envato)

De acordo com um estudo publicado na revista The Lancet, também em janeiro, parte do problema de avaliar a prevalência de covid longa é a ausência de informações consistentes sobre terminologia, definições e diagnóstico da doença. O NICE (órgão do Reino Unido), por exemplo, define a covid longa como "sinais e sintomas que continuam ou se desenvolvem após covid-19 grave a partir de quatro semanas".

Enquanto isso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) usa o termo apenas no que diz respeito a sintomas três meses após o início da infecção por SARS-CoV-2. Além disso, uma proporção substancial de pacientes pode ter sintomas persistentes por um ano ou mais após a infecção.

O consenso é que a covid longa é a "falha em retornar aos níveis normais de saúde pré-covid", o que o estudo em questão classificou como "surpreendentemente comum". Os próprios autores reconhecem que mais pesquisas são necessárias para avaliar todo o espectro de sintomas da covid longa para facilitar o diagnóstico da doença.

Logo, mesmo com esses dados à tona, é preciso entender que pessoas totalmente vacinadas ainda correm o risco de desenvolver a doença. A conclusão é que as fórmulas em vigor atualmente contra a covid-19 podem reduzir os sintomas de longa duração, mas não extinguir totalmente com a possibilidade de adquiri-los.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos