Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.958,97
    +430,00 (+0,89%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,09
    -1,58 (-2,52%)
     
  • OURO

    1.794,90
    +16,50 (+0,93%)
     
  • BTC-USD

    55.610,03
    -399,25 (-0,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.286,37
    +23,41 (+1,85%)
     
  • S&P500

    4.171,71
    +36,77 (+0,89%)
     
  • DOW JONES

    34.144,52
    +323,22 (+0,96%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.871,00
    +76,75 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7022
    -0,0003 (-0,00%)
     

Vacinas de Oxford e Pfizer são eficazes contra variante de Manaus, diz estudo

Nathan Vieira
·2 minuto de leitura

Se tem algo que preocupa o mundo mais do que o coronavírus em si, é a quantidade de variantes que tem surgido em países como o Reino Unido, a África do Sul e o Brasil. Neste último caso, uma dessas variantes foi encontrada em Manaus, despertando a atenção dos especialistas. No entanto, segundo um recente estudo realizado pela Universidade de Oxford, a vacina Covishield (AstraZeneca) e a vacina da Pfizer apresentam eficácia contra tal variante.

A pesquisa, ainda não revisada por outros cientistas, aponta que a P.1 (nome dado à variante encontrada em Manaus) apresentou menos resistência às duas vacinas do que a variante da África do Sul (B.1351) e também apresentou uma resistência menor aos anticorpos. Por enquanto, segundo a pesquisa em questão, a variante da África do Sul é a mais preocupante, e os pesquisadores afirmam que encontrar uma vacina que seja eficaz contra ela é a prioridade.

Para os responsáveis pelo estudo, essa diferença pode ter relações com mutações que a P.1 sofreu fora da região que o vírus usa para se conectar às celulas. Eles também afirmam que, embora a variante realmente tenha mais resistência que o coronavírus original, a expectativa é que essas vacinas deem conta.

Vacinas de Oxford/AstraZeneca e Pfizer são eficazes contra variante de Manaus, diz estudo da própria Universidade de Oxford (Imagem: Viktor Forgacs/Unsplash)
Vacinas de Oxford/AstraZeneca e Pfizer são eficazes contra variante de Manaus, diz estudo da própria Universidade de Oxford (Imagem: Viktor Forgacs/Unsplash)

Mas para chegar a essas novas informações, os pesquisadores isolaram uma amostra da variante P.1 do coronavírus retirada de um paciente brasileiro de Manaus e cultivaram em laboratório, visando analisar a interação com o soro retirado do sangue e com anticorpos de pessoas vacinadas com os imunizantes de Oxford e da Pfizer, em comparação com o de pessoas não vacinadas, mas que tiveram COVID-19 no início da pandemia.

“Esses dados sugerem que os anticorpos induzidos por vacinas e naturais ainda podem neutralizar essas variantes, mas em níveis mais baixos. É importante ressaltar que a cepa P.1 pode ser menos resistente a esses anticorpos do que se temia inicialmente", afirma o estudo. Andrew Pollard, investigador-chefe do ensaio da vacina da Universidade de Oxford, disse que o estudo forneceu “novas percepções que nos ajudam a estar preparados para responder a novos desafios à nossa saúde causados ​​pelo vírus, se necessário”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: