Mercado fechará em 3 h 28 min
  • BOVESPA

    117.084,18
    +854,06 (+0,73%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.790,93
    -255,65 (-0,56%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,45
    +0,93 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.717,40
    -13,10 (-0,76%)
     
  • BTC-USD

    20.099,67
    +72,87 (+0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,27
    -3,14 (-0,69%)
     
  • S&P500

    3.758,99
    -31,94 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    30.134,45
    -181,87 (-0,60%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.521,50
    -119,25 (-1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1388
    -0,0291 (-0,56%)
     

Vacinas de mRNA podem reduzir risco de COVID grave em 91%, diz estudo

·2 min de leitura

Pessoas que foram completamente imunizadas (2 doses) com vacinas de mRNA (RNA mensageiro) nos Estados Unidos apresentaram até 91% menos probabilidade de desenvolver a infecção do coronavírus SARS-CoV-2 do que aqueles que não foram vacinados, de acordo com estudo norte-americano. Além disso, a pesquisa observou que a primeira dose contra a COVID-19 já oferece proteção para o usuário.

Publicado na revista científica New England Journal of Medicine, o estudo se baseou em dados preliminares divulgados pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), em março deste ano, com profissionais que atuam na linha de frente de combate ao coronavírus. Foram considerados os efeitos de dois imunizantes contra a COVID-19, baseados no mRNA: a fórmula da Pfizer/BioNTech; e a da Moderna.

Vacinas de mRNA reduzem em 91% risco de infecção da COVID-19 (Imagem: Reprodução/FabrikaPhoto/Envato Elements)
Vacinas de mRNA reduzem em 91% risco de infecção da COVID-19 (Imagem: Reprodução/FabrikaPhoto/Envato Elements)

Segundo o estudo, os imunizantes apresentaram uma taxa de eficácia de 81% na redução do risco de infecção após vacinação parcial — duas semanas após a primeira dose, mas antes da segunda dose ser administrada. Quando aplicadas as duas doses, o estudo sugere que as vacinas reduzem a gravidade dos sintomas de COVID-19 e encurtam a duração da doença.

Estudo com as vacinas de mRNA

A pesquisa sobre a eficácia das vacinas de mRNA recrutou 3.975 participantes de oito estados norte-americanos, como Flórida e Texas. No total, apenas 204 (5%) dos participantes testaram positivo para a infecção do SARS-CoV-2, sendo que 156 não foram vacinados, 32 tinham um status vacinal indeterminado e 16 foram total ou parcialmente vacinados. As três pessoas hospitalizadas não foram imunizadas.

“Demos essas vacinas a alguns dos grupos de maior risco neste país — médicos, enfermeiras e socorristas”, explicou Sarang Yoon, um dos autores do estudo. “Essas são as pessoas que estão se expondo ao vírus dia após dia, e a vacina as protegeu contra o contágio da doença. Aqueles que infelizmente contraíram a COVID-19, apesar de terem sido vacinados, ainda estavam em melhor situação do que aqueles que não o fizeram”, completou o especialista.

Segundo os autores, os participantes com alguma proteção desencadeada por vacinas apresentavam sintomas mais leves. Por exemplo, a presença de febre foi 58% menor entre os vacinados. Além disso, os ​dias em repouso foram reduzidos em 60% com a imunização.

A pesquisa também sugere que indivíduos total ou parcialmente vacinados que contraíram a COVID-19 podem ter menos probabilidade de espalhar o vírus para outras pessoas. Isso porque os participantes do estudo — e que haviam recebido alguma imunização — apresentavam uma concentração 40% menor do coronavírus no nariz, quando infectados.

Para acessar o estudo completo, publicado na revista científica New England Journal of Medicine, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: